TORNANDO-ME PROFESSORA: Trajetórias insubordinadas na formação com imagens, narrativas e sons

Elaine Sotero

Resumo


O presente texto trata de reflexões feitas no decorrer de minha graduação no curso de Pedagogia, pensando em como as minhas redes de conhecimentossignificações (ALVES, 2011) foram tecidas até me tornar uma professora, apesar de todas as dificuldades que vivi. Através das conversas com os cotidianos (CERTEAU, 1998), busco compreender a tessitura do conhecimento em redes (ALVES, 2003), descobrindo então que todas as experiências que tive me fizeram ser a professora que hoje sou. Partindo de experiências com imagens, narrativas e sons, analiso como os filmes Preciosa (2009) e Escritores da Liberdade (2007) intercedem (DELEUZE; GUATTARI, 1992) e conversam (ALVES, CALDAS, ROSA, 2015) com minhas redes e com muitas das reflexões que tive no decorrer da minha graduação. Percebo, assim, que para se pensar em uma prática educativa emancipatória é preciso se considerar nos cotidianos escolares todas as contribuições dos “docentesdicentes” como formas de se criar um currículo (GOMES, 2012) insubordinado às mazelas da educação.

 

Palavras-chave


docência, cinema, redes educativas

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/periferia.2019.42219

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil  

Revista Periferia, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas – PPGECC/UERJ - ISSN: 1984-9540