O docente da diferença

Sandra Mara Corazza

Resumo


DOI: 10.12957/periferia.2009.3422

Tratado como ser, indivíduo, pré-individual, impessoal, tomado em segmentos de devir, que são
processos de desejo, o docente é pensado a partir da Filosofia da Diferença em Educação. Extrator de partículas, atravessa os limiares do sujeito, formas e funções. Estuda, aprende, ensina, compõe, canta, lê, escreve, pesquisa, apenas com o objetivo de desencadear devires.
Ressalta o seu próprio potencial de variação contínua e critica, assim, o conceito e a formadocente. Desenvolve traços fugidios do seu ensinartistar, por meio de XX devires. Para finalizar, indaga: – Como criar uma artistagem docente? Sabe que engendrar, encontrar e seguir alguma
resposta de tristeza ou de alegria, de juventude ou de velhice, de ânimo ou de cansaço, de vida ou de morte, é o que configura a covardia ou a coragem de cada docente da diferença.


Palavras-chave


diferença; docente; individuação; identidade; artistagem

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/periferia.2009.3422

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil  

Revista Periferia, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas – PPGECC/UERJ - ISSN: 1984-9540