IDENTIDADE RELIGIOSA DO MÉDIUM SURDO NO TERREIRO DE MINA JEJE NAGÔ HUEVY EM BELÉM - PARÁ

Sergio Mauricio de Oliveira Junior, Silvio Santiago-Vieira, Jakson Santos Ribeiro

Resumo


RESUMO: A presente pesquisa teve como objetivo compreender a representação simbólica das guias (Ogum, Iemanjá e Xangô) na construção da identidade religiosa do médium Surdo na Casa Grande de Mina Jeje Nagô de Toy Lissá e Abê Manjá Huevy, pertencente ao Tambor de Mina. Para o desenvolvimento do trabalho foi aplicado o método etnográfico. Nesse sentido, observou-se que a identidade religiosa do indivíduo estudado é constituída de inúmeros fatores, sendo que as guias e a sua representação simbólica, configuram-se como um fator principal na constituição identitária do médium Surdo, visto a sua percepção visuo-espacial. Nota-se que as guias são elementos simbólicos que institui ao médium Surdo uma significação religiosa para o entendimento da sua identidade, pois, identificou-se que a espiritualidade desse sujeito pesquisado é evidenciada com o uso das guias para confirmação das suas práticas religiosas no terreiro no qual ele está inserido.

 


Palavras-chave


Guias. Identidade Religiosa. Surdo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/periferia.2018.31544

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil  

Revista Periferia, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas – PPGECC/UERJ - ISSN: 1984-9540