O FUNK NO RIO DE JANEIRO: IDENTIDADE ÉTNICA, CULTURAL E SOCIAL NA BAIXADA FLUMINENSE

Patricia Luisa Nogueira Rangel

Resumo


Patricia Luisa Nogueira Rangel

DOI: 10.12957/periferia.2013.15370

O presente artigo objetiva explorar o movimento funk dentro da região periférica do Estado do Rio de Janeiro, a Baixada Fluminense. No entanto, este trabalho focará sua atenção nos municípios de Nova Iguaçu, Mesquita, Nilópolis, Belford Roxo, São João de Meriti e Duque de Caxias. O ritmo que contagiou jovens negros e pobres dos subúrbios e favelas do Rio de Janeiro não demorou muito para atingir o gosto musical de uma região sofrida e esquecida, tornando-se, para alguns, um modelo barato de diversão. O funk é um ritmo dançante que possibilitou recriações com a mistura de vários outros ritmos que estão diretamente relacionados à diáspora africana; junto com essa expressão cultural vem também a possibilidade de uma nova identidade, como linguajar, vestimenta, acessórios


Palavras-chave


Funk, Baixada Fluminense, identidade, cultura

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/periferia.2013.15370

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil  

Revista Periferia, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas – PPGECC/UERJ - ISSN: 1984-9540