Escrever a crise: Entrevista com Marcos Siscar

Beatriz Vieira, Eduardo Ferraz Felippe, Thiago Lima Nicodemo

Resumo


Marcos Siscar é Livre-Docente pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) e professor do Departamento de Teoria Literária da Universidade de Campinas (Unicamp). [...] Em seu último livro, De volta ao fim: o “fim das vanguardas” como questão da poesia contemporânea (7Letras), está interessando em indagar o “fim das vanguardas” menos como um conteúdo de verdade histórica, verificável na segunda metade do século XX, e mais uma operação crítica e discursiva – com aparecimento em textos, ensaios e poesias – que gera histórias. Enfatiza uma hipótese de que as variantes da noção de fim, incluindo a crise, oferecem um ponto de partida para aquilo que está em jogo no contemporâneo. Sua contribuição para este dossiê da Revista Maracanan gira em torno do “discurso da crise” antes de modo performativo que constativo (como noção da lingüística). Em outras palavras, “funciona como modo de criar sentido, de interferir no contemporâneo das relações, de manipulá-las...” e não como uma simplória descrição. Trata-se de uma contribuição de distinta relevância para o cenário atual.


Palavras-chave


Entrevista; Marcos Siscar; Crise

Texto completo:

PDF

Referências


SISCAR, Marcos. Da soberba da poesia: distinção, elitismo, democracia. São Paulo: Lumme, 2012.

SISCAR, Marcos. De volta ao fim: o “fim das vanguardas” como questão da poesia contemporânea. Rio de Janeiro: 7Letras, 2016.

SISCAR, Marcos. Jacques Derrida: literatura, política e tradução. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SISCAR, Marcos. Manual de flutuação para amadores. Rio de Janeiro: 7Letras, 2015.

SISCAR, Marcos. Poesia e crise: ensaios sobre a “crise da poesia” como topos da modernidade. São Paulo: Ed. Unicamp, 2010.




DOI: https://doi.org/10.12957/maracanan.2018.31395

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

                 

         

              

              

 

Divulgadores