Leitura como resistência: Ernesto Penteado e José Nogueira leitores de Nietzsche

Antonio Vinicius Lomeu

Resumo


O presente artigo pretende refletir sobre a leitura como uma forma de resistência, tomando como exemplo a maneira através da qual o major brasileiro José Nogueira e o jornalista Ernesto Penteado recepcionaram os textos do filósofo Friedrich Nietzsche (1844-1900). Para tanto partiremos, sobretudo, das proposições de Michel De Certeau, que consideram a leitura como um ato de resistência, em distintos níveis, contra a dominação que a própria mensagem do texto representa. Essas reflexões têm como objetivo entender a circulação das ideias do filósofo alemão no Brasil e a prática de uma história intelectual a partir de um novo ângulo.



Palavras-chave


Nietzsche; Leitura; Historia Intelectual; Microresistência.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/intellectus.2021.54767

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Grupos de Pesquisa:

 
Financiamento:

Indexada em:

Open Academic Journals Index Dialnet
 
https://sumarios.org/revista/intell%C3%A8ctus
 

 https://scholar.google.com.br/citations?user=ruuQn9oAAAAJ&hl=pt-BR

 

Redes sociais:

https://www.instagram.com/intellectus.uerj/