HOJE A AULA É NO LABORATÓRIO E AS ATIVIDADES SÃO NA PRAÇA: PROJETOS DA UNIVERSIDADE PARA A APRENDIZAGEM DE BOTÂNICA NO ENSINO FUNDAMENTAL

Roberta Negrão de Araújo, Rodrigo de Souza Polleto, Lucken Bueno Lucas, Dayanne da Silva Alves

Resumo


Dentre estas disciplinas da Base Nacional Comum, encontra-se Ciências da Natureza. O ensino desta tem por objetivo possibilitar a compreensão do mundo natural nas relações sociais de produção, com vistas a garantir ao educando a análise concreta da realidade por meio da apropriação do conhecimento científico. Nessa perspectiva é importante pontuar que a ciência se caracteriza por ser uma atividade metódica regulada por ações passíveis de serem reproduzidas. A proposta das Diretrizes Curriculares Estaduais (DCE) do Paraná toma como princípio a observação e a compreensão do mundo em que se vive. As experimentações realizadas em sala de aula ou laboratório têm uma função claramente definida: levar o aluno a compreender a complexidade das relações entre a teoria e o experimento. Diante desse contexto, o presente artigo relata a percepção de estudantes do 8º ano do ensino fundamental após o desenvolvimento de ações extensionistas de uma universidade que objetivaram o ensino de Botânica em espaço não escolar.


Palavras-chave


Aprendizagem de Botânica; Ensino de Ciências da Natureza; Relação Universidade – Educação Básica; Projeto de Extensão; Espaço não escolar.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/e-mosaicos.2020.47632


ISSN: 2316-9303 | Indexada em: