A AFETIVIDADE COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE JOVENS E ADULTOS

Silvia Leticia Losada Silva, Tatiana Luna Gomes Silva

Resumo


DOI: 10.12957/e-mosaicos.2016.26658

O objetivo deste trabalho é discutir de que forma a afetividade, como ferramenta de trabalho docente, em especial com alunos da EJA (Educação de jovens e adultos), pode tornar os estudantes mais receptivos ao aprendizado. Abordamos a afetividade na perspectiva de autores como Henri Wallon, Jean Piaget e Lev S. Vygotsky, buscando compreender e dialogar suas concepções sobre o tema. Descrevemos aqui, dados oriundos da pesquisa realizada na EJA, onde através dos relatos e observações notamos que, estes alunos são adultos que carregaram consigo problemas emocionais e marcas de um período escolar onde seus valores não se ajustavam aos valores da escola, o que dificulta o aprendizado. Ao utilizar a afetividade, o professor faz com que os alunos sintam-se aceitos, receptivos ao aprendizado e ao convívio social. Ao confrontar os referenciais teóricos com os dados obtidos, percebe-se que apesar da experiência positiva observada, ainda existem paradigmas históricos de um ensino tecnicista, desta forma, não só a EJA é prejudicada em seus objetivos, mas a própria evasão escolar tem como fator colaborativo a relação distante entre aluno e professor.

 

Recebido em: 15/11/2016 | Aceito em: 10/12/2016


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/e-mosaicos.2016.26658


ISSN: 2316-9303 | Indexada em: