CONSUMO DE ALIMENTOS ENTRE ADOLESCENTES DE UM ESTADO DO NORDESTE BRASILEIRO

Maylla Luanna Barbosa Martins, Sueli Rosina Tonial, Mônica Elinor Alves Gama, Thaynara Helena Ribeiro e Silva, Juliana Menezes Ribeiro, Janaina Maiana Abreu Barbosa

Resumo


Objetivo: Verificar alimentos consumidos por adolescentes no estado do Maranhão, incluindo o consumo de alimentos regionais. Métodos: Trata-se de estudo descritivo com dados oriundos de pesquisa de base populacional realizada em 2007/2008 no estado do Maranhão, com amostra de 1.399 adolescentes, em que foram investigados dados demográficos e estado nutricional diagnosticado pelo índice de massa corporal, segundo critério da Organização Mundial da Saúde (2007). O consumo de alimentos foi avaliado através de Questionário de Frequência Alimentar (validado para garantia da regionalização do consumo). Resultados: A maior parte dos adolescentes tinha baixa renda familiar (rendimento de até um salário mínimo - 42,5%). Registraram-se sobrepeso em 12% da população, baixo-peso em 4,6% e obesidade em 4,2%. Os alimentos mais consumidos diariamente pelos adolescentes foram café (82,3%), arroz (77,2%), margarina e manteiga (50,8%), feijão (50,6%), farinha (47,3%) e pão (40,1%). Alimentos do grupo das frutas, hortaliças, carnes e ovos, leite e derivados obtiveram baixa frequência de consumo diário, bem como alimentos que geralmente são preferidos pelos adolescentes, como os do grupo de açúcares, doces e fast food. Também foi registrado baixo consumo de alimentos regionais dos grupos das frutas, hortaliças, tubérculos e cereais, como bacuri/cupuaçu, juçara, vinagreira, cuxá, maxixe, quiabo, beiju e caranguejo. Conclusão: O consumo de alimentos pelos adolescentes maranhenses configura uma alimentação monótona e pobre em nutrientes, possivelmente decorrente da baixa renda da população. Assim, medidas de intervenção precisam ser adotadas visando ampliar o consumo de alimentos regionais tão ricos em nutrientes, evitando-se agravantes para a saúde desses indivíduos.

DOI: http://dx.doi.org/10.12957/demetra.2014.9693

 

 


Palavras-chave


estado nutricional, consumo de alimentos e adolescentes.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Silva JG, Teixeira MLO, Ferreira MA. Alimentação e saúde: sentidos atribuídos por adolescentes. Esc Anna Nery (impr.). 2012; 16(1):88- 95.

Velásquez KM, et al. Perfil antropométrico de jovens escolares do município de Lages/SC. Rev Bras Obes Nut Emagrece. 2007; 1(3):47-54.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2013.

Leal GVS, et al. Consumo alimentar e padrão de refeições de adolescentes, São Paulo, Brasil. Rev. Bras. Epidemiol. 2010; 13(3):457-467.

Batista Filho M, Rissin A. A transição nutricional no Brasil: tendências regionais e temporais. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2003; 19(1): 181-191.

World Health Organization. Inequalities young people’s health: key findings from the Health Behaviour in School-aged Children (HBSC) 2005/2006 survey fact sheet. Copenhagen: World Health Organization, 2008. [acesso 2013 agos.]. Disponível em:http://www.euro.who.int/Document/Mediacentre/fs_hbsc_17june2008_e.pdf

Bertin RL, et al. Estado nutricional e consumo alimentar de adolescentes da rede pública de ensino da cidade de São Mateus do Sul, Paraná, Brasil. Rev. Bras. Saúde Materno Infant. 2008; 8(4):435-443.

Brito LMO, et al. Estado nutricional de adolescentes do maranhão por critérios nacional e internacional. Rev. Ciênc. Saúde Coletiva. 2013; 18(12):3715-3720.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamento Familiar 2002-2003: antropometria e análise do estado nutricional de crianças e adolescentes no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2006.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais, 2006. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2006.

Sichieri, R. Avaliação do consumo alimentar e do consumo de energia. In: R. Sichieri Epidemiologia da Obesidade, Rio de Janeiro: Eduerj, 1998; 65-88

World Health Organization. Growth reference data for 5-19 years [Internet]. Geneva: World Health Organization; 2007 [acesso 2013 Jul 10]. Disponível em: http://www.who.int/growthref/en

PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento). Relatório do Desenvolvimento Humano 2013. [Internet]. 2013 [acesso 2013 dez 10]. Disponível em http://www.pnud.org.br/

Gomes FS, Anjo LA, Vasconcellos MTL. Associação entre o estado nutricional antropométrico e a situação sócio-econômica de adolescentes em Niterói, Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2009; 25(11):2446-2454.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamento Familiar 2008-2009: antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos do Brasil. Rio de Janeiro, 2010.

Silva JB, et al. Estado Nutricional de Escolares do Semi-Árido do Nordeste Brasileiro. Rev Salud Pública. 2009; 1(1):62-71.

TONIAL, S. R.; SILVA, A. A. (org). Saúde, nutrição e mortalidade infantil no estado do Maranhão. São Luís: UFMA; UNICEF, 1997.

TONIAL, S. R. Desnutrição e obesidade: faces contraditórias na miséria e na abundância. Recife: Publicações Científicas do Instituto Materno Infantil de Pernambuco, 2001.

Castro, J. A., Modesto, L. (2010). Bolsa família 2003-2010: Avanços e desafios. Brasília, DF: Ipea.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamento Familiar 2008-2009: Análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro; 2011.

Silva ARV, et al. Hábitos alimentares de adolescentes de escolas públicas de Fortaleza, CE, Brasil. Rev Bras Enferm. 2009; 62(1): 18-24.

Cerdeño VJM. Consumo de arroz: principales características. Distribución y consumo. 2006; 1: 72-82.

BRASIL. Ministério da Saúde. Guia Alimentar para a População Brasileira. Promovendo a alimentação saudável. Brasília; 2005.

Levy RB, et al. Distribuição regional e socioeconômica da disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil em 2008-2009. Rev Saúde Pública. 2012; 46 (1):6-15.

Dalla Costa MC, Cordoni Junior L, Tiemi M. Hábito alimentar de escolares adolescentes de um município do oeste do Paraná. Rev. Nutr., Campinas. 2007; 20(5):461-471.

Scherr C, Ribeiro JP. Gorduras em Laticínios, Ovos, Margarinas e Óleos: Implicações para a Aterosclerose. Arq Brasileiro de Cardiol. 2010; 95(1):55-60.

Conceição SIO, et al. Consumo alimentar de escolares das redes pública e privada de ensino de São Luís, Maranhão. Rev Nut. Campinas. 2010; 23(6): 993-1004.

Almeida CF, et al. Frequência de consumo alimentar versus saúde de adolescentes. Rev. Rede de Cuidados em Saúde. 2009; 3(3): 1-12.

Sampaio HAC, et al. Consumo de Frutas e Hortaliças por indivíduos atendidos pelo programa saúde da família na periferia da cidade de Fortaleza – CE. Rev. APS. 2010; 13(2): 175-181.

Estima CCP, et al. Consumo de bebidas e refrigerantes por adolescentes de uma escola pública. Rev Paul Pediatr. 2011; 29(1):41-5.

Neutzling MB, et al. Frequência de consumo de dietas ricas em gordura e pobres em fibra entre adolescentes. Rev Saúde Pública. 2007; 41(3):336-342.

Santos GG, et al. Hábitos alimentares e estado nutricional de adolescentes de um centro de juventude da cidade de Anápolis. Ensaios e Ciência Ciências biológicas, Agrárias e da Saúde. 2011; 15(1).

Malta DC, et al. Prevalência de fatores de risco e proteção de doenças crônicas não transmissíveis em adolescentes: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), Brasil, 2009. Ciênc. Saúde Coletiva. 2010; 15(2):3009-3019.

Yuyama LKO, et al. Caracterização físico-química do suco de açaí de Euterpe precatoria Mart. oriundo de diferentes ecossistemas amazônicos. 2011; 41(4): 545 – 552.

Manhães LRT, Marques MMM, Sabaa-Srur AUO. Composição química e do conteúdo de energia do cariru (Talinum esculentum, Jacq.). Acta Amaz. 2008; 38(2): 307-310.

MARTINS, M. A. S. 1985. Vinagreira (Híbiscus sabdariffa. L): uma riqueza pouca conhecida. São Luis: EMAPA, 12p.

Aquino JS, et al. Processamento de biscoitos adicionados de óleo de buriti (Mauritia flexuosa L.): uma alternativa para o consumo de alimentos fontes de vitamina A na merenda escolar. Rev. Nutr. [online]. 2012; 25(6): 765-774.




DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2014.9693