MEDICALIZAÇÃO DA COMIDA E TRANSFORMAÇÃO DE PESSOAS EM MERCADORIA: REFLEXÕES A PARTIR DE REVISTAS DIRIGIDAS AO PÚBLICO FEMININO

Gesseldo de Brito Freire

Resumo


Dedicamo-nos, num primeiro momento, a situar o campo científico a Alimentação e seu foco de investigação: a comida. Entendemo-la inserida no mundo do consumo nas sociedades modernas e em articulação com a publicidade, esta que é por nós considerada como forte partícipe do processo de construção de símbolos e de reprodução e transformações no modelo econômico-social-cultural marcado pela acumulação de capital. Nos dias atuais, a publicidade, suas práticas e seus saberes têm sido estudados, não somente como simples agentes de vendas, mas como mecanismos capazes de estabelecer influências e reconstrução de práticas de consumo. Processo em que o corpo tem função relevante na construção de sentidos, visto que a comida participa da construção do corpo não apenas pela sua materialidade, mas também nos aspectos culturais e simbólicos. Analisamos as capas das revistas Sou Mais Eu! e VIVA! Mais, publicadas em 2011. A partir desses veículos, propomo-nos a refletir a respeito de discursos sobre comida e suas relações com processos de medicalização e de transformação das pessoas em mercadoria na sociedade contemporânea. Discutimos, primeiramente, sua configuração como um gênero textual. Depois, com base na Análise de Discurso e nos estudos semióticos, recorremos a autores como Foucault, Guimarães, Farina, Simmel e Elias para um mergulho nos enunciados em tela. Em seguida, com base em autores como Conrad, Foucault e Maingueneau, apresentamos nossas reflexões sobre o processo de medicalização que vemos presente nesses discursos. Por fim, argumentamos que a sociedade de consumo requer que sejamos também vendáveis. Consideramos, conforme Hall, Bauman, Giddens, Marx e Lukács, que esse arranjo que reúne capas de revistas femininas, comida e medicalização é também marcado por um processo de reificação que transforma pessoas em mercadoria.


DOI: 10.12957/demetra.2013.7288


Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2013.7288