Conhecimento e uso de rótulos nutricionais por consumidores

Ana Carolina Bail Morais, Lize Stangarlin-Fiori, Renata Labronici Bertin, Caroline Opolski Medeiros

Resumo


A rotulagem de alimentos é importante para a comunicação entre produtores e consumidores. No entanto, para ajudar os consumidores a ter maior autonomia em suas escolhas alimentares, é importante interpretar corretamente a rotulagem dos alimentos. Assim, esta pesquisa avaliou o conhecimento e o uso das informações nutricionais apresentadas nos rótulos dos alimentos. Pesquisa quantitativa, exploratória e transversal, realizada em 2018 em uma universidade pública no Brasil, com 415 consumidores com 18 anos ou mais. Para avaliar o conhecimento, aplicou-se questionário estruturado com pontuação de 0 a 24. Os dados foram analisados por meio de análise descritiva, correlação de Spearman e teste de Kruskal-Wallis e Mann Whitney. Participaram indivíduos com idade de 21,02 ± 2,89 anos, dos quais 58,31% eram do sexo feminino. Muitos consumidores liam frequentemente os rótulos dos alimentos (56,39%). A pontuação média de conhecimento foi de 14,99 ± 4,12. A média do escore de conhecimento foi afetada pela idade (p = 0,039) e renda (p = 0,020). Os participantes que utilizaram alegações nutricionais como critério de compra (p = 0,004) obtiveram maiores pontuações. Os maiores problemas na interpretação dos rótulos nutricionais estavam relacionados às reivindicações obrigatórias de nutrientes e aos termos "isento de gordura trans (0%)", "alimento funcional", "dieta" e "light". Considerando que a regulamentação dos rótulos de alimentos está em processo de revisão no Brasil, torna-se importante pesquisar seu uso e conhecimento por consumidores adultos jovens. Isso contribuirá para a discussão da revisão da legislação, além de ajudar os profissionais a orientarem os consumidores na interpretação dos rótulos.

 


Palavras-chave


Informação nutricional. Rotulagem de Alimentos. Rotulagem Nutricional. Conhecimento.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2020.45847