FATORES ASSOCIADOS À AMAMENTAÇÃO NA PRIMEIRA HORA DE VIDA EM RIO BRANCO, ACRE

Alanderson Alves Ramalho, Fernanda Andrade Martins, Thaíla Alves dos Santos Lima, Andréia Moreira Andrade, Rosalina Jorge Koifman

Resumo


Objetivo: Determinar a prevalência e analisar os fatores associados à amamentação na primeira hora de vida em Rio Branco, Acre. Métodos: Realizou-se estudo transversal de base populacional, com 1144 binômios mãe/recém-nascido pertencentes a uma coorte materno-infantil em Rio Branco, capital do Estado do Acre, Brasil. A coleta de dados ocorreu nas duas únicas maternidades da capital. A variável dependente “amamentação na primeira hora de vida” foi construída por meio da categorização do tempo até a primeira amamentação coletada em minutos, e seus fatores associados foram identificados por meio de regressão logística múltipla e hierarquizada. Resultados: A prevalência de amamentação na primeira hora de vida em Rio Branco foi 58,2% (IC95%: 55,2% - 61,2%). Nos níveis distais e intermediários, estiveram associados ao desfecho: escolaridade materna, classe socioeconômica, número de moradores no domicílio, trabalho materno e hipertensão na gestação. No modelo proximal, a amamentação na primeira hora de vida esteve inversamente associada à hipertensão gestacional (RC: 0,68; IC 95%: 0,47 – 0,98), parto cesáreo (RC: 0,15; IC 95%: 0,11 – 0,20) e baixo peso ao nascer (RC: 0,32; IC 95%: 0,19 – 0,55). Conclusão: Os principais empecilhos para a amamentação na primeira hora de vida em Rio Branco são o parto cesáreo e o baixo peso ao nascer.

DOI: 10.12957/demetra.2019.43809

 


Palavras-chave


Aleitamento materno. Recém-Nascido. Período Pós-Parto. Saúde materno-infantil. Modelos Logísticos.

Texto completo:

PDF-PORT PDF-ENG (English)


DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2019.43809

e-ISSN: 2238-913X


Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.