ATIVIDADE ANTITRÍPTICA EM SEMENTE E PRODUTO ALIMENTÍCIO DE CHIA (SALVIA HISPANICA L.)

Ana Paula Araújo de Souza, Lorena Maria Araújo Marinheiro Nascimento, Vanessa Cristina Oliveira de Lima, Fabiana Maria Coimbra de Carvalho, Elizeu Antunes dos Santos, Ana Heloneida de Araújo Morais

Resumo


Objetivo: Este estudo objetiva detectar a atividade antitríptica em semente e farinha comerciais de chia e isolar um inibidor de tripsina presente na semente. Metodologia: Foram realizados extração de proteínas, fracionamento com sulfato de amônio, cromatografia de afinidade, ensaio de inibição sobre tripsina, quantificação de proteínas e eletroforese em gel de poliacrilamida desnaturante. Resultados e discussão: A partir desses experimentos, detectou-se a atividade antitríptica no pico proteico retido na coluna de afinidade (RT), da farinha e semente, apresentando 51% e 64%, respectivamente. Porém, não foram verificadas grandes quantidades de proteínas solúveis no RT, tanto da semente quanto da farinha, quando comparadas ao extrato bruto e frações proteicas. O inibidor de tripsina de semente foi isolado, indicando massa molecular estimada em, aproximadamente, 14,4 kDa. Conclusões: Diante dos resultados relativos à detecção da atividade antitrípica em semente e farinha comercial de chia, e isolamento do inibidor na semente, faz-se necessário o aprofundamento nas pesquisas acerca dessa molécula quanto as suas propriedades bioativas e segurança do consumo.

DOI: 10.12957/demetra.2017.25636

 

 


Palavras-chave


Farinha de chia; proteínas; inibidores enzimáticos; tripsina

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2017.25636

e-ISSN: 2238-913X


Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.