TRANSTORNO ALIMENTAR EM ESTUDANTES NEGRAS DE SALVADOR: A RELAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL

Liliane de Jesus Bittencourt, Mônica de Oliveira Nunes

Resumo


Objetivo: avaliar até que ponto pertencer a grupos étnicos/raciais diferentes das mulheres brancas pode predispor à insatisfação com a imagem corporal e ao risco para desenvolver transtornos alimentares. Método: estudo realizado com estudantes de 15 a 30 anos, de instituições de ensino médio e universitário, público e privado. Realizado em duas etapas: a quantitativa, utilizando informações sociodemográficas e de vivência do racismo, o EAT-26, instrumento de triagem de risco para transtorno alimentar, e o BSQ, para avaliação de insatisfação com a imagem corporal; e a qualitativa, com grupos focais e história de vida. A análise foi realizada associando informações das duas etapas de investigação. Resultados: Das 626 estudantes pesquisadas, 34% tinham preocupação com a imagem corporal e 6,6%, risco de comportamentos alimentares desordenados. As dez estudantes que se identificaram como negras e que participaram da etapa qualitativa da investigação não apresentavam risco para desenvolvimento de transtorno alimentar, segundo teste de screening (EAT-26), mas sete delas tinham vivenciado tais transtornos, de acordo com a história de vida. Apenas para quatro houve associação entre insatisfação com a imagem corporal e essas vivências. Discussão: há um descompasso entre os resultados dos testes quantitativos para diagnóstico de risco para esses transtornos e uma avaliação qualitativa baseada em história de vida, para pessoas de grupos étnicos/raciais diferentes. Conclusão: vivência ou percepção do racismo, associado a conflitos pessoais, familiares e sociais estão na base desses comportamentos, além da insatisfação corporal.

DOI: 10.12957/demetra.2017.22115

 

 


Palavras-chave


transtornos alimentares, imagem corporal, raça, mulher negra

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2017.22141

e-ISSN: 2238-913X


Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.