O SEGREDO DE UM CUSCUZ: ALIMENTAÇÃO E IDENTIDADE

Guida Silva Cândido

Resumo


A natureza humana conduz o homem na busca permanente de experiências sensoriais. Nada une o homem de forma tão evidente como esse propósito do prazer sensorial. A alimentação, o ato de comer, representa mais do que a necessidade física, biológica e primária de sobrevivência. É também uma ação que envolve, ou pode envolver, cada um dos sentidos, de forma a experienciar uma sensação nova, diferente e aprazível. O cinema encontra-se nas mesmas circunstâncias: pressupõe a busca de sensações. Em ambos os campos, cinematográfico e gastronômico, ocorrem perceções de natureza sensorial distintas, mas que desembocam ambas na possibilidade de relacionar os diferentes sentidos e as sensações que daí resultam. Aqui, pretende-se demonstrar como o cinema constitui uma representação da identidade cultural e social. Analisa-se O segredo de um cuscuz sob o ponto de vista da alimentação e das relações que se estabelecem entre as personagens à volta de um alimento.

DOI: 10.12957/demetra.2015.15490

 

 


Palavras-chave


Ciências sociais, Antropologia, Sociologia, Alimentação, Cinema.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2015.15490

e-ISSN: 2238-913X


Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.