RELACTAÇÃO COMO POSSIBILIDADE TERAPÊUTICA NA ATENÇÃO A LACTENTES COM NECESSIDADES ALIMENTARES ESPECIAIS

Tátila Lima de Oliveira, Bibiana Arantes Moraes, Lívia Lislie Ferreira Salgado

Resumo


O Programa de Atenção Nutricional (PAN) de Rio Verde-GO iniciou suas atividades em 2009, financiado pelo Fundo Municipal de Saúde, visando ao atendimento de crianças diagnosticadas com intolerância à lactose, alergia à proteína do leite de vaca, soja ou múltiplas proteínas, além de erros inatos do metabolismo e desnutrição. O presente relato tem como objetivo apresentar a experiência desse programa no incentivo à amamentação por meio de acolhimento qualificado e orientações quanto à técnica de relactação. Em 2012, foram entrevistadas via telefônica 28 mães que receberam orientações para retorno da amamentação. Dentre as entrevistadas, 78,6% (n= 22) fizeram a técnica e 21,4% (n=6) não tentaram. Entre as mães que usaram a técnica, 68,2% (n=15) não retomaram a amamentação. Destas, 86,7% (n=13) alegaram que o bebê rejeitou o peito e 13,3% (n=2), que não produziram leite. Quanto ao retorno da lactação, 31,8% (n=7) das mães que utilizaram a técnica obtiveram sucesso. O sucesso da técnica talvez possa ser ampliado com uma rede de apoio e incentivo à amamentação no município, que irá possibilitar o aumento de práticas bem-sucedidas e de baixo custo para a saúde pública, que precisam ser mais bem divulgadas à população e aos profissionais de saúde.

DOI: http://dx.doi.org/10.12957/demetra.2014.10528

 


Palavras-chave


lactação, aleitamento materno, hipersensibilidade alimentar, intolerância à lactose

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


CARVALHO MR, TAVARES LAM. Amamentação: Bases Científicas. 3ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2010. 455p.

MS - MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Dez passos para uma alimentação saudável: guia alimentar para crianças menores de dois anos: um guia para o profissional da saúde na Atenção Básica. 2. ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2010. 72 p.

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION Butte NF, Lopez-Alarcon MG, GARZA C. Nutrient adequacy of exclusive breastfeeding for the term infant during the first six months of life. Geneva; 2002. 47p.

MELO SL. Amamentação: Contínuo aprendizado. 2ed. São Paulo: All Print Editora; 2010. 258p.

MARIANO GJS. Relactação: Identificação de práticas bem sucedidas. Revista de Enfermagem 2011 mar; 3(3): 163-170.

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. Relactation: review of experience and recommendations for practice. WHO/ CHS/98.14. Geneva: 1998. 42p.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010: Diário Oficial da União em 04.11.2010. Disponível em: URL:

BORDALO JD. Aleitamento materno: relactação e lactação induzida. [dissertação]. Covilhã: Universidade da Beira Interior; 2008.

ALVES JG, FIGUEIRA F, NACUL LC. Relactation improves nutritional status in hospitalized infants. Journal of Tropical Pediatrics 1999; 45(2): 120-121.

DE NC, et al. Initiating the process of relactation: an institute based study. Indian Pediatrics 2002; 39(2): 173-178.

ABUL-FADL AMA, et al. Testing Communication Models for Relactation in an Egyptian Setting. Breastfeeding medicine 2012; 7(4): 248-254.

MARTINS FILHO J, et al. Relactação - I. Proposta de uma técnica para facilitar a estimulação da lactação. Pediatria 1981 mai; 3(1): 319-329.

MS - MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2009. 112 p. (Cadernos de Atenção Básica, n. 23)




DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2014.10528