pensar outros possíveis entre infâncias e necropolíticas

ellen lima souza, alexandre filordi carvalho

Abstract


Ao se objetivar a publicação do presente dossiê, intenta-se colocar em cena uma série de investigações cujos desafios e cujas abordagens, problematizações e experimentações levem em consideração o amplo espectro da necropolítica. Entretanto, ao se enfatizar os lugares das infâncias contemporâneas em tal cenário, sublinha-se o complexo nódulo que as crianças negras ocupam na necropolítica. Numa via, pelo fato de serem, contra suas vontades, capacidades humanas e decisões, herdeiras de uma situação histórico-social de matriz necropolítica. As crianças negras, assim, nascem territorializadas num contexto necropolítico inequívoco. Em outra via, as crianças compõem relevante aceno na formação de estratégias de tensão e de modificação nos quadros necropolítico. Se as crianças aprendem a ser racistas, desde a mais precípua socialização, na ampla lógica necropolítica, também podem aprender a não ser racistas. Indagar por outros possíveis, tomando por centralidade as crianças, é atentar-se para toda experimentação que as crianças são capazes de empreender como desterritorialização necropolítica.  Para tanto, sustenta-se que outros possíveis para uma comunidade de vida, movida por políticas de afetos, sensíveis às singularidades e diferenças humanas, produzindo valores para além da cova profunda da herança maldita colonial, não se faz sem a educação. Assim, a sucessão dos artigos que este dossiê apresenta, por perspectivas múltiplas e diferentes, com abordagens peculiares e preocupações próprias, tonalizando ênfases variadas e originais, traz um esforço coletivo de se produzir outros possíveis para as crianças no mundo contemporâneo.

 

Palavras-chave: Infâncias, necropolítica, outros possíveis, educação


Keywords


Infância, necropolítica, outros possíveis, educação

References


ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. Antissemitismo, imperialismo, totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2020 a.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém. Um relato sobre a banalidade do mal. São Paulo: Companhia das Letras, 2020 b.

BASTIDE, Roger; FERNANDES, Florestan. Brancos e negros em São Paulo. São Paulo: Global, 2008.

CARVALHO, Alexandre Filordi de. “Foucault e o neoliberalismo de subjetividades precárias: incidências na escola pública brasileira”. Revista Artes de Educar. V.6, n. 3, p. 935-956, 2020.

CARVALHO, Alexandre Filordi de. Educação e imagens na sociedade do espetáculo: as pedagogias culturais em questão. Educação e Realidade Edição eletrônica, v. 38, p. 587-602, 2013.

CÉSAIRE, Aimé. Discurso sobre o colonialismo. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2010.

COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Situação dos direitos humanos no Brasil. Organização dos Estados Americanos: OEA, 2021.

ESPOSITO, Roberto. Immunitas: protezione e negazione della vita. Turim: Einaudi, 2002.

ESPOSITO, Roberto. Bios. Biopolítica e Filosofia. Lisboa: Edições 70, 2010.

FANON, Frantz. Peau noire, masques blancs. Paris: Seuil, 2015.

FEDERICI, Silvia. O ponto zero da revolução. Trabalho doméstico, reprodução e luta feminina. São Paulo: Elefante, 2019.

HOSANG, Daniel Martinez; LOWNDES, Joseph. Producers, parasites, patriotes. Race ande the new right-wing politics of precarity. London/Minneapolis: University of Minessota Press, 2019.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação. Episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

KINCHELOE, Joe L.; STEINBERG, Shirly R. Cultura infantil. A construção corporativa da infância. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

MAYER, Jane. Dark money. The hidden history of the billionaires behind the rise of the radical right. New York: 2017.

MAZUI, Guilherme. No Brasil, não existe racismo', diz Mourão sobre assassinato de homem negro em supermercado. G1. 20, out. 2020. https://g1.globo.com/politica/noticia/2020/11/20/mourao-lamenta-assassinato-de-homem-negro-em-mercado-mas-diz-que-no-brasil-nao-existe-racismo.ghtml

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. São Paulo: N-1, 2018 a.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. São Paulo: N-1, 2018 b.

MÕES, Malu. A cada real ganho por um homem branco, uma mulher negra recebe R$ 0,43. Poder 360. 09, mar. 2021. https://www.poder360.com.br/economia/a-cada-real-ganho-por-um-homem-branco-uma-mulher-negra-recebe-r-043/

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro. São Paulo: Perspectiva, 2016.

RODRIGUES, Raymundo Nina. As Raças Humanas e a Responsabilidade Penal no Brasil. Salvador: Livraria Progresso, 1957.




DOI: https://doi.org/10.12957/childphilo.2021.59100

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


childhood & philosophy Creative Commons License
e-issn 1984-5987 | p-issn 2525-5061