ENTRE DITOS, NÃO DITOS E MALDITOS: O INOMINÁVEL NA POESIA DE HILDA HILST

Geruza Zelnys de ALMEIDA

Resumo


O objetivo deste estudo é analisar a construção na poesia metafísica da escritora brasileira Hilda Hilst, a partir da física ou da materialidade da linguagem poética. Para isso, analisamos os procedimentos poéticos que promovem a indissolubilidade entre forma e idéia nos poemas. Os resultados analisados demonstram que, harmonizando o desejo metafísico com o rigor científico, Hilda torna visível a estrutura diagramática do pensamento, desenhando a metafísica dentro da física poética – primeiro, através de linhas ascendentes em busca do sublime e, segundo, por meio de linhas descendentes rumo ao grotesco.

Palavras-chave


Hilda Hilst; Poesia; Metafísica; Física

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/cadsem.2009.9845

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1414-4298 | e-ISSN: 1806-9142

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.