OS GÊNEROS TEXTUAIS E A TIPOLOGIA INJUNTIVA

Vanilda Salton KÖCHE, Adiane Fogali MARINELLO, Odete Maria Benetti BOFF

Resumo


É consenso entre os teóricos que um ensino eficiente de língua maternapressupõe um trabalho com o texto. Geraldi (1993), um dos grandesestudiosos do ensino de língua portuguesa no Brasil, é enfático ao afirmarque a produção de textos, quer orais ou escritos, é ponto de partidae ponto de chegada de todo o processo de ensino-aprendizagem. Isso decorredo fato de a materialização dos textos acontecer nas situações sociaisdo dia-a-dia, na forma de gêneros textuais. Nessa perspectiva, osParâmetros Curriculares Nacionais (1999) recomendam o trabalho com otexto e consideram a função social dos gêneros, aproximando realidadesocial e ensino de língua. Sugerem ainda que o professor explore as tipologiastextuais no interior de cada gênero. Assim, o ensino de língua materna,metodologicamente situado na leitura, compreensão, análise e produçãode gêneros textuais, desponta como um importante caminho paraauxiliar no desenvolvimento da competência comunicativa dos alunos.Este artigo apresenta uma discussão sobre gêneros e tipologiastextuais, aborda a tipologia injuntiva e analisa dois gêneros em que essatipologia predomina: um manual de instruções e uma receita culinária.Este estudo é significativo, pois textos injuntivos fazem parte do cotidianodo aluno e estão presentes nos diversos ambientes discursivos dasociedade. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (1999) e os teóricosBakhtin (1992), Adam (1992), Bronckart (1999), Fávero e Koch (1998),Geraldi (1993), Marcuschi (2002), Rosa (2003), Travaglia (1991), Schneuwly,Dolz e colaboradores (2004) fundamentam este trabalho.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/cadsem.2009.9821

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1414-4298 | e-ISSN: 1806-9142

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.