A EXCLUSÃO DA MULHER DO CÂNONE LITERÁRIO INGLÊS: O CASO DE CHARLOTTE DACRE

Paula Pope Ramos

Resumo


Este artigo tem como objetivo, a partir da trajetória traçada por Virginia Woolf, em seu ensaio-novela, Um teto todo seu (1929), delinear as causas que residem na raiz do apagamento da autora gótica Charlotte Dacre do cânone literário inglês. Dacre, assim como diversas escritoras anteriores ao surgimento do romance no cenário da literatura inglesa no século XVIII, chega à contemporaneidade com um nome obscuro e pouco conhecido. Por trás desse esquecimento parece existir uma força gerada no cerne de uma sociedade patriarcal que ora enclausura a mulher em uma vida doméstica e privada e ora lhe interdita o saber, de modo que os textos que ela poderia produzir deveriam corresponder a essa realidade. Na contramão dessa expectativa, Charlotte Dacre afasta-se de uma escrita considerada feminina quando, em suas obras, dá vida e palco central a mulheres violentas e predadoras sexuais. Consequentemente, os seus textos foram duramente criticados e preteridos por uma crítica especializada de cunho sexista e moralista. A fim de traçar a importante contribuição da autora não somente para a poética gótica, mas também a maneira como alimentou o imaginário de autores por vir, este trabalho se insere na tentativa de lançar luz sobre a sua vida e obra. Assim, aborda, com fins introdutórios, os seus romances e alguns de seus versos, sobretudo aqueles alimentados por mulheres fatais e por inclinações sádicas. Por fim, pretende-se, a partir dessa incursão, redimir o silêncio crítico histórico sobre a autora, de modo a reinscrevê-la nos círculos literários atuais, bem como atualizar a discussão crítica ao redor de suas obras.


Palavras-chave


Charlotte Dacre; Poética gótica; Mulheres escritoras.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/seminal.2021.58530

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1414-4298 | e-ISSN: 1806-9142

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.