DA PROIBIÇÃO À REVOLUÇÃO NA PRODUÇÃO LITERÁRIA ESCRITA POR MULHERES: O CASO DE CLARA E ALBA EM A CASA DOS ESPÍRITOS, DE ISABEL ALLENDE

Danielly Cristina Pereira Vieira, Rafael Macário de Lima

Resumo


Na obra A Casa dos Espíritos (2017[1982]), de Isabel Allende, destacam-se as mulheres da família, principalmente Clara e Alba, as responsáveis pela narração da história — a primeira por escreve-la em seus cadernos de anotar a vida e a segunda por resgatar essa escrita, após sua libertação do cárcere ditatorial, e narrá-la de modo a construir a obra. Nessa perspectiva, nosso objetivo é analisar o potencial revolucionário e de resistência da escrita das mulheres utilizando como corpus a obra de Allende. Para isso, através de teóricas como Joanna Russ (2018), Gerda Lerner 2019, Michelle Perrot (2019) e Virginia Woolf (2019), faremos um breve percurso acerca da proibição e dos empecilhos históricos impostos às mulheres afim de barrar ou dificultar suas expressões através da escrita, culminando nas estratégias utilizadas por elas, tal como a escrita de cartas e, como Clara, de diários/cadernos privados, como estratégia de registro e de voz. Concluímos que Allende, em sua obra, ilustra o poder revolucionário da produção escrita das mulheres.


Palavras-chave


Escrita de Mulheres; autoria de mulheres; Isabel Allende; diário; escrita privada.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/seminal.2021.58241

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1414-4298 | e-ISSN: 1806-9142

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.