ESTEREÓTIPO, ESTIGMA E PRESERVAÇÃO DE FACES: A REALIZAÇÃO AFRICADA DE OCLUSIVAS ALVEOLARES SEGUIDAS DE GLIDE PALATAL EM UMA COMUNIDADE ESCOLAR DE ARACAJU/SE

Thaís Regina de Andrade Corrêa

Resumo


Estudos evidenciam que a realização africada de oclusivas alveolares antecedidas por glide palatal é sensível à avaliação social, configurando-se um estereótipo de estigma social. Objetivamos averiguar os efeitos de polidez de uma variante do tipo estereótipo, em contextos de preservação de faces, em uma comunidade de práticas escolares de Aracaju/SE. Para a constituição do corpus, realizamos 32 gravações de interação conduzida em rede social, e 20 gravações de entrevistas sociolinguísticas. A distância social atuou significativamente, pois quanto mais distante os interlocutores, mais procuraram automonitorar-se, o que se reflete no uso da variante africada. O resultado reforça que a variante é um estereótipo de estigma social na comunidade.

 

 


Palavras-chave


Palatalização; Estereótipo; Estigma; Polidez.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/cadsem.2018.32549

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1414-4298 | e-ISSN: 1806-9142

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.