DIÁLOGOS POSSÍVEIS: BRASIL E CABO VERDE NO CONTEXTO DA LUSOFONIA

Valdemar Valente Junior

Resumo


O presente texto tem por objetivo uma abordagem acerca das formas de aproximação entre as literaturas brasileira e cabo-verdiana, tendo em vista o processo de emancipação cultural da antiga colônia portuguesa em África. Diante da necessidade de afirmação dos valores de uma nacionalidade crítica, os escritores cabo-verdianos lançam mão de elementos tomados por empréstimo à literatura brasileira, para efeito da efetivação de um afastamento com relação os postulados da cultura portuguesa. Desse modo, a aproximação com relação ao movimento modernista que tem lugar no Brasil, a partir da obra de escritores como Mário de Andrade, Manuel Bandeira, Ribeiro Couto e Jorge de Lima, entre outros, lhes garante um sentido simbólico de autonomia com relação à metrópole, que os coage a partir de um sistema cultural extremamente opressivo. Diante disso, as manifestações da literatura cabo-verdiana assumem a diretriz de iniciativas que têm origem com a publicação da Revista Claridade (1936), órgão responsável pela tomada de posição que determina um lugar de destaque para o arquipélago, a partir das demais produções literárias africanas no contexto da lusofonia.

Palavras-chave


Lusofonia; Modernismo brasileiro; Literatura cabo-verdiana.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/cadsem.2018.30849

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1414-4298 | e-ISSN: 1806-9142

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.