AS CRIANÇAS QUE NÃO EXISTIAM: A INFÂNCIA E A LITERATURA INFANTIL EM ANA MARÍA MATUTE

Rosane Cardoso

Resumo


Este artigo traz algumas reflexões sobre a violência como tema da literatura infantil e sobre a criação literária como possibilidade de expressão de si. Para tanto, comenta Los niños tontos, de Ana María Matute, livro composto por 21 contos protagonizados por crianças marcadas pelo isolamento social. A autora, apesar de valer-se da estética do Tremendismo espanhol, recorre ao lirismo para narrar histórias de meninos que vivem à margem do mundo adulto, estabelecendo, segundo se considera neste artigo, uma vinculação com a própria experiência na infância. Este estudo, portanto, volta-se para o processo de criação artística de Matute e, com esta base, problematiza concepções de literatura infantil. 


Palavras-chave


Violência, Literatura infantil, Processo Criativo, Ana María Matute

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/cadsem.2015.14393

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1414-4298 | e-ISSN: 1806-9142

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.