AS NULIDADES PROCESSUAIS E SUA CONFORMIDADE CONSTITUCIONAL NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

Débora Carvalho Fioratto

Resumo


O presente artigo tem como eixo central o estudo das nulidades processuais nonovo Código de Processo Civil e a sua adequação ao Estado Democrático de Direito. Depoisda promulgação da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, o contexto semodifica, necessitando que as nulidades processuais e o processo fossem revisitados parauma interpretação constitucionalmente adequada. Nesse sentido, as nulidades devem deixarde ser instrumento de chicana (decorrente do liberalismo processual) ou, mesmo instrumento“corretivo” do juiz (próprio da socialização processual) para – a partir da complementaridadeentre a teoria procedimentalista de Habermas, a teoria do processo como procedimento emcontraditório e a teoria constitucionalista – serem consideradas forma de controle dos atosprocessuais, garantindo a regularidade e conformidade desses atos ao modelo constitucionalde processo.

DOI: 10.12957/redp.2016.26602

 


Palavras-chave


Nulidades processuais; Liberalismo processual; Socialização processual; Estado Democrático de Direito; Modelo Constitucional de Processo; Novo Código de Processo Civil

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/redp.2016.26602

REVISTA ELETRÔNICA DE DIREITO PROCESSUAL - REDP

 

Campus Maracanã, Pavilhão João Lyra Filho, 7º andar

Bloco F, sala 7123. Rio de Janeiro/RJ. Brasil

Telefones: (21) 2334-0072 ou 2334-0312. E-mail: fhrevistaprocessual@gmail.com