DA PROPRIOCEPÇÃO À APROPRIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA: UMA PRÁTICA CORPORAL COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL

Laura Pozzana, Virgínia Kastrup

Resumo


DOI: 10.12957/periferia.2017.29409

O deslocamento espacial é um dos maiores problemas que as pessoas com deficiência visual enfrentam. Com a falta da visão, elas normalmente têm dificuldade de antecipar obstáculos ao se locomoverem e também apresentam menor estabilidade corporal, na posição vertical. Estas dificuldades podem ser atenuadas, até mesmo transformadas, através de práticas corporais voltadas para o aprendizado e o aprimoramento da relação com o espaço – como é o caso das práticas de Orientação e Mobilidade (OM) que priorizam o uso da bengala. O objetivo deste estudo é analisar o problema da mobilidade a partir da propriocepção, em práticas grupais de experimentação do corpo no espaço. O estudo busca referencial teórico nas ideias de Hatwell, Merleau-Ponty, Varela, Godard e Latour. A pesquisa-intervenção realizada na Oficina de Corpo, Movimento e Expressão, no Instituto Benjamin Constant, no Rio de Janeiro, utiliza o método da cartografia para acompanhar processos e rastrear alguns dos efeitos que se referem à ativação dos sentidos do corpo em movimento. Concluímos que a propriocepção em práticas corporais grupais concorre para a apropriação da experiência e para a expansão de territórios existenciais tende a produzir maior confiança e autonomia no mundo.


Palavras-chave


experimentação; corpo; deficiência visual; movimento; propriocepção

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/periferia.2017.29409

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil  

Revista Periferia,uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas – PPGECC/UERJ