Ubuntu e Justiça Racial:

uma perspectiva Bioética para a Educação Médica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/intellectus.2024.81625

Palavras-chave:

Ubuntu, Bioética, Justiça Racial

Resumo

O presente texto é baseado num recorte da tese de doutorado “O papel do habitus medicus no trabalho docente em tempos raciais: Ubuntu como tônica ética”, desenvolvida no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Bioética na Universidade Federal Fluminense (UFF), que teve como um dos objetivos específicos evidenciar as atribuições da filosofia ubuntu como tônica ética capaz de fortalecer as bases conceituais das bioéticas sociais no trato sobre a questão da justiça racial na educação Médica. A metodologia adotada adere a abordagem qualitativa de caráter exploratório e descritiva por meio de entrevistas semiestruturadas cujas interpretações e análises dos materiais coletados seguiram os ensinamentos da Análise de Conteúdo Categorial de Laurence Bardin. Os resultados do estudo apontam que a essência da ética ubuntu existe mesmo sem ser nomeada como tal.

Palavras-Chave: Ubuntu; Bioética; Justiça Racial

Biografia do Autor

Rita de Cassia Ladeira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutora em Bioética - Universidade Federal Fluminense (UFF), Brasil

Técnica Administrativa em Educação - Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Brasil

Referências

BARDIN, L. (2016). Análise de conteúdo. Edição revista e ampliada. São Paulo: Edições 70 Brasil; [1977].

CASTILLO, Camilo Herman Manchola.(2015). Bioética latino-americana e pesquisa-ação: um diálogo enriquecedor das bases epistemológicas e metodológicas da Bioética latino-americana. Revista Percurso Acadêmico, v.5 n.10 pp. 489-514. Disponível em: <https://periodicos.pucminas.br/index.php/percursoacademico/article/view/10760/9272>. Acesso em 10 out. 2021.

FOX, Willian. (2010). A guide to Public Ethics. Cape Town, RSA. Editora Juta, 2010.

FULGÊNCIO, C.; NASCIMENTO, W. Bioética de intervenção e justiça: olhares desde o sul. (2012). Revista Brasileira de Bioética, [S. l.], v. 8, n. 1-4, pp. 47–56, 2012. Disponível em: <https://periodicos.unb.br/index.php/rbb/article/view/7776>. Acesso em: 28 jan. 2020.

GARRAFA, Volnei; MARTORELL, Leandro Brambilla e NASCIMENTO, Wanderson Flor do (2016). Críticas ao principialismo em bioética: perspectivas desde o norte e desde o sul. Revista Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 25, n. 2, 2016: 442-451. Disponível em: <https://doi.org/10. 15 90 / S0 104-12902016150801>. Acesso em:12 fev. 2021.

GOMEZ, Jairo Andrés Villalba. (2016). Problemas bioéticos emergentes de la inteligencia artificial. Divers.: Perspect. Psicol. Bogotá, v. 12, n. 1: 137-147. Disponível em: <http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1794-9998201 6000 1000 11 &lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 28 nov. 2023.

LADEIRA, Rita de Cassia (2022). O papel do habitus medicus no trabalho docente em tempos raciais: Ubuntu como tônica ética. Tese (Doutorado em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva). Universidade Federal Fluminense.

MENEZES, Márcia Mendes et al. (2019). Percepções sobre o ensino de ética na medicina: estudo qualitativo. Revista Bioética, Brasília, v. 27, n. 2, pp. 341-349. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/1983-80422019272318>. Acesso em: 12 fev.2022.

METZ, T. (2010a). The African Ethic of Ubuntu. In J. K. Swindal (Ed.), The Ways of the World (pp. 123-136). Wiley-Blackwell.

METZ, T. (2010b). Human Dignity, Capital Punishment, and an African Moral Theory: Toward a New Philosophy of Human Rights. Journal of Human Rights, EUA, v. 9 n.1, pp. 81-99. Disponível em: <https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/14754830 903530 30 0>. Acesso em: 16 set. 2019.

MILLS, C. (2014). White Time: The Chronic Injustice of Ideal Theory. Du Bois Review: Social Sciense Reseach on Race, v.11, n. 1, pp. 27-42, 2014. Disponível em: . Acesso em: 17 jan. 2020.

MORAES, Tainara Cristina Godoy De et al. (2022). Desafios bioéticos com o uso da inteligência artificial na saúde. In: Anais da XVII Semana Universitária, XVI Encontro de Iniciação Científica e IX Feira de Ciência, Tecnologia e Inovação. Disponível em: <https://publicacoes.unifimes.edu.br/index.php/anais-semana-universitaria/article/view/ 1959/1612> Acesso em: 16 set. 2023.

RAMOSE, Mogobe B. (2002) The ethics of ubuntu. In: COETZEE, Peter H.; ROUX, Abraham P.J. The African Philosophy Reader. New York, EUA. Editora Routledge, pp. 324-330

RODRIGUES, Carlos Alberto Bizarro; SCHRAMM, Fermin Roland. (2022). Bioética de proteção: fundamentos e perspectiva. Revista Bioética, 30(2), 355–365. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/1983-80422022302531PT> Acesso em: 10 dez. 2023.

SANGIOVANNI, A. (2017). Humanity without Dignity. Moral Equality, Respect, and Human Rights. Cambridge, EUA, Editora Harvard University Press.

Downloads

Publicado

2024-05-21

Como Citar

Ladeira, R. de C. (2024). Ubuntu e Justiça Racial:: uma perspectiva Bioética para a Educação Médica. Intellèctus, 23(1), 192–206. https://doi.org/10.12957/intellectus.2024.81625