Vivência Ubuntu nos caminhos do cuidado:

saberes ancestrais nas redes de apoio à amamentação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/intellectus.2024.81578

Palavras-chave:

ubuntu, educação, redes de apoio

Resumo

O artigo tem como objetivo explorar as potencialidades e desafios de um projeto de educação e cuidado em saúde em territórios urbanos. Idealizado por uma educadora e mãe preta, a iniciativa, embasada na ética ubuntu, busca resgatar técnicas ancestrais e promover um senso de comunidade para apoiar a amamentação de mulheres vulnerabilizadas. Através da experiência prática e do mapeamento da rede de apoio estabelecida entre 2015 e 2022, o artigo detalha os métodos e princípios orientadores, o perfil da equipe, o compartilhamento dos atores, a reconfiguração durante a sindemia e as contradições encontradas. São saberes coletivos, pautados no viver ubuntu, negligenciados pela academia e pouco incorporados nas práticas de saúde, que são marcadas pelo colonialismo e pelo epistemicídio de saberes.

Biografia do Autor

Fernanda Flávia Cockell, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutora em Engenharia de Produção – Universidade Federal de São Carlos, UFSCar,  Brasil

Professora Associada - Departamento de Sociologia - Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Brasil 

Referências

COCKELL, Fernanda Flávia (2015-2020). Diários de campo: escrevivências de uma educadora. RELATÓRIO anual do Projeto “Abrace seu mundo: estreitando vínculos parentais” (2016-2020). Câmera de extensão da Universidade Federal de São Paulo. 8. RELATÓRIO “Abrace seu mundo”. Edital 1º infância. Fundo de equidade RacialBaobá (2021). Referências Bibliográficas:

ARAÚJO, Verônica Souza de; SOUZA, Edinilsa Ramos de; SILVA & Vera Lucia Marques da (2022). “Eles vão certeiros nos nossos filhos”: adoecimentos e resistências de mães de vítimas de ação policial no Rio de Janeiro, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v.

, pp. 1327-1336. Disponível em: < https://www.scielosp.org/article/csc/2022.v27n4/1327-1336/pt/>. Acesso em: 27 out. 2023.

ASSUNÇÃO, Helena Santos (2023). Dar a ver o indizível: as capulanas no norte de Moçambique. Revista de Antropologia, vol. 66, pp. e188052.

BARBOSA, Ana Cláudia; OLIVEIRA, Roberta Gondim de & CORRÊA, Roseane Maria (2023), Cuidado em Saúde e mulheres negras: notas sobre colonialidade, re-existência e conquistas, Ciência & Saúde Coletiva, vol. 28, n. 9, pp. 2469–77. Disponível em: <

https://www.scielo.br/j/csc/a/PggGjVJLQTDGNTxs7MsPD9L/>. Acesso em: 02 jan. 2024.

BARBOSA, Graziella Cristina Silva (2019). Consulta de enfermagem ao recém nascido: foco no incentivo e apoio ao aleitamento materno. In: III Encontro dos Núcleos Ampliados de Saúde da Família da Região Metropolitana da Baixada Santista. Santos-São Paulo.

BISPO JÚNIOR, José Patrício & SANTOS, Djanilson Barbosa dos (2021). COVID-19 como sindemia: modelo teórico e fundamentos para a abordagem abrangente em saúde. Cadernos de Saúde Pública, vol. 37, pp. e00119021. Disponível em:

< Shttps://www.scielosp.org/article/csp/2021.v37n10/e00119021/ >. Acesso em: 2 mar. 2022.

BLOOM, Paul (2017). Against empathy: The case for rational compassion. Random House.

BORGATTI, Stephen; EVERETT, Martin & FREEMAN, Linton (2002). Ucinet for Windows: Software for social network nalysis. Harvard, MA: analytic technologies, vol. 6, pp. 12-15.

BRASIL (2003). Lei 10.639/2003, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9. 394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília.

BRASIL (2011). Ministério da Saúde. Atenção Humanizada ao Recém-Nascido de BaixoPeso: Método Canguru. 2. ed. Brasília; MS.

BRASIL (2012). Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Diário Oficial da União. Poder Executivo, Brasília.

BRASIL (2014a). Ministério da Saúde, Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde – DATASUS. Disponível em: <

https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/santos/pesquisa/39/30279?ano=2014&localida

de1=355030>.

BRASIL (2014b). Lei n. 12.990, de 9 de junho de 2014. Diário da União, Poder Executivo, Brasília.

BRASIL (2019). Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018: antropometria e consumo alimentar domiciliar: resultados nacionais. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

CAPASSO, Raissa, GUERRA, Débora Del, KIELING, Gabriel (2021). Redes de cuidado: revoluções invisíveis por uma vida vivível. São Paulo: Fundação Rosa LUXEMBURGO.

CARDOSO, Edilaine Marcio; COCKELL, Fernanda Flávia (2019). Atenção à saúde da mulher negra no ciclo gravídico puerperal: ercepções em primeira pessoa. Cadernos de gênero e tecnologia, vol. 12, n. 40, pp. 111-131. Disponível em: < https://periodicos.utfpr.edu.br/cgt/article/view/9485>. Acesso em: 05 de maio de

CARULA, Karoline (2012). Perigosas amas de leite: aleitamento materno, ciência e escravidão em A Mãi de Família. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, vol. 19, pp. 197-214. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/hcsm/a/M9cKVkNpTSPWr9JGQKT5S5D/>. Acesso em: 22 dez. 2023.

CAVALCANTE, Kellison Lima (2020). Fundamentos da filosofia Ubuntu: afroperspectivas e o humanismo africano. Revista Semiárido De Visu, vol. 8, n. 2, pp. 184-192.

COCKELL; Fernanda Flávia; ALVES, Aline Bernardes; MORAIS, Kesia Damascena Winter De Morais; OSTOLIN, Thatiane Lopes Valentim Di Paschoale (2021). Cuidado integral a puérperas a partir das ações do projeto Abrace seu mundo. In: PINTO, Juliana Martins; WASH, Isabel Aparecida Porcatti; COELHO, Vitória Helena Maciel. (Org.). Fisioterapia, família, comunidade e políticas de saúde: experiências, desafios e perspectivas. Curituba-PR: Editora Bagai, vol. 1, pp. 67-85.

COCKELL, Fernanda; DA SILVA, Deborah Aparecida Inocêncio Alves (2023). Práticas Ancestrais de Cuidado à Puérpera: Redes de apoio, percepções e vivências de mulheres negras. Áskesis, vol. 12, n. 1, pp. 117-142.

COLLINS, Patricia Hill (2019). Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. Boitempo editorial. CONSCIÊNCIA NEGRA: A SABEDORIA ANCESTRAL GUARDADA EM PROVÉRBIOS AFRICANOS. Disponível em: < A Gazeta | Consciência Negra: a sabedoria ancestral guardada em provérbios africanos>. Acesso em: 19 nov. 2022.

DJU, Antônio Oliveira & MURARO, Darcísio Natal (2022). Ubuntu como modo de vida: contribuição da filosofia africana para pensar a democracia. Trans/Form/Ação, vol. 45, n. spe, pp. 239–264. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/trans/a/jpHyJCYDK3MwBDN3Qdk7YqH/>. Acesso em: 03

dez. 2023.

EVARISTO, Conceição (2016). Olhos d’água. 1° ed. Rio de Janeiro: Pallas: Fundação Biblioteca Nacional.

FELLIPE, Wanderley Chieppe (2020). Reconfiguração de saberes, fazeres e quereres. In: BARROS, Ev’Ângela Batista Rodrigues de. Extensão PUC Minas: reconfiguração de saberes, fazeres e quereres. E-book (673 p.: il.). Disponível em: <https://portal.pucminas.br/imagedb/documento/DOC_DSC_NOME_ARQUI202012161 65401.PDF>. Acesso em: 27 dez. 2023.

GOMANE, Manuel Cochole Paulo (2019). Ética e Filosofia Ubuntu: da problemática da concepção ao debate epistemológico. Revista Reflexões, Fortaleza/CE. vol 8, pp. 80-7.

Disponível em: < https://revistareflexoes.com.br/wp-content/uploads/2019/08/6.6.6-Manuel-cochole.pdf>. Acesso em 07 maio 2024.

GONZALEZ, Lélia (2020). Por um Feminismo Afro-Latino-Americano: Ensaios, Intervenções e Diálogos. Rio Janeiro: Zahar.

HOOKS, Bell (2020). Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: WMF Martins Fontes.

HORTON, Richard (2020). Offline: COVID-19 is not a pandemic. The lancet, vol. 396, n. 10255, p. 874, 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Desigualdades sociais por cor ou raça no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2021. Disponível em: <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/35467-pessoas-pretas-e-pardas-continuam-com-menor-acesso-a-emprego-educacao-seguranca-e-saneamento. Acesso em: 3 dez. 2022.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTISTICO NACIONAL – IPHAN (2014). Santos – Ruínas do Engenho São Jorge dos Erasmos. Brasília. Disponível em: < Santos – Ruínas do Engenho São Jorge dos Erasmos | ipatrimônio (ipatrimonio.org)>.

JORGE, Alzira de Oliveira et al. (2022). Das amas de leite às mães órfãs: reflexões sobre o direito à maternidade no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, vol. 27, pp. 515-524. Disponível em: < scielo.br/j/csc/a/nKTv7qmpMj5BP9Sv6WkV6jq/?format=pdf>.

Acesso em: 25 dez.2023.

KILOMBA, Grada (2020). Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Editora Cobogó, 2020.

LAZEGA, Emmanuel & HIGGINS, Sílvio Salej (2014). Redes sociais e estruturas relacionais. Belo Horizonte: Fino Traço Editora.

LEBOYER, Frédérick; BENATI, Luiz Roberto; MARTINS, Maria Sílvia Cintra (2009). Shantala: uma arte tradicional, massagem para bebês. São Paulo: Editora Ground.

MEYER, Dagmar Estermann; FÉLIX, Jeane & VASCONCELOS, Michele de Freitas Faria de (2013). Por uma educação que se movimente como maré e inunde os cotidianos de serviços de saúde. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, vol. 17, pp.

-871. Disponível em: < ttps://www.scielo.br/j/icse/a/4ttJss6DVS88wvm5G4BZSsy/?format=pdf>. Acesso em:

jan. 2024.

MURTHA, Ney Albart, CASTRO, José Esteban & HELLER, Leo. (2015). Uma perspectiva histórica das primeiras políticas de saneamento e recursos hídricos no Brasil. Ambiente & Sociedade, vol.18, n.3, pp. 193–210. Disponível em:

<https://doi.org/10.1590/1809-4422ASOC1047V1832015>. Acesso em: 06 maio 2024.

NASCIMENTO, Elisa Larkin (2001). Sankofa: educação e identidade afrodescendente. In: CAVALLEIRO, Eliane (Org.). Racismo e anti-racismo na educação: repensando nossa escola. São Paulo: Summus, pp.115-136.

NGOENHA, Severino Elias (2006). Ubuntu: new model of global justice? Indilinga African Journal of Indigenous Knowledge Systems, vol. 5, n. 2, pp. 125-134.

PERINI, Camila et al. (2014). Banho de ofurô em recém-nascidos no alojamento conjunto: um relato de experiência. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, vol. 6, n. 2, pp. 785-792.

PONTES DE ALBUQUERQUE, Carla & FLEURI, Reinaldo Matias (2020). Lições da pandemia: aprender com outras epistemologias o cuidado coletivo com

reciprocidade. Revista de Educação Popular, n. spe, pp. 268-280. Disponível em:<https://pesquisa.bvsalud.org/global-literature-on-novel-coronavirus-2019-ncov/resource/pt/covidwho-830072>. Acesso em: 08 nov.2023.

PREFEITURA DE SANTOS (2021). Banco de empréstimo de sling beneficia mães de recém-nascidos de Santos. Disponível em: <

ttps://www.santos.sp.gov.br/?q=noticia/banco-de-emprestimo-de-sling-beneficia-maes-de-recem-nascidos-de-santos>. Acesso em: 06 maio 2024.

PREFEITURA DE SANTOS (2023). Agosto Dourado: Disk Amamentação orientamães em Santos. Disponível em: < https://www.santos.sp.gov.br/?q=noticia/agosto-dourado-disk-amamentacao-orienta-maes-em-santos>. Acesso em: 06 maio 2024.

RAMOSE, Mogobe Bernard (1999). African Philosophy through Ubuntu. Harare: Mond Books, pp. 49-66.

RAMOSE, Mogobe Bernard (2009). Globalização e ubuntu. In:SANTOS, Boaventura de Souza & MENESES, Maria Paula. Epistemologias do Sul, vol. 2, pp. 175-220.

RECUERO, Raquel & ZAGO, Gabriela (2020). Desafios e Perspectivas para a Análise de Redes Sociais na Internet. In: JOAQUIM, Fialho (Org.). Redes Sociais. Como compreendê-las? Uma introdução à análise de redes sociais. Lisboa: Sílabus, pp.33-45.

ROLLINS, Nigel et al. (2016). Por que investir e o que será necessário para melhorar as práticas de amamentação. Epidemiol. serv. saúde, vol. 387, n. 21, pp. 25-44,

Disponível em: <https://maternidadesemneura.com.br/wp-content/uploads/2017/11/investimento.pdf>. Acesso em: 17 dez. 2023.

SANTOS, Antônio Bispo dos (2023). A terra dá, a terra quer. São Paulo: UbuEditora/PISEAGRAMA.

SARAIVA, Luís Augusto Ferreira (2019). O que e quem não é ubuntu. Problemata: Revista Internacional de Filosofía, vol. 10, n. 2, pp. 93-110.

SOARES, Lissandra Vieira & MACHADO, Paula Sandrine (2017). & quot; Escrevivências & quot; como ferramenta metodológica na produção de conhecimento em Psicologia Social. Revista Psicologia Política, vol. 17, n. 39, pp. 203-219. Disponível em: <

https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=7427408>. Acesso em: 3 jul.2023.VICTORA, Cesar et al. (2016). Amamentação no século 21: epidemiologia,

mecanismos, e efeitos ao longo da vida. Epidemiol Serv Saúde, vol. 25, n. 1, pp. 1-24. Disponível em: <

https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/7172494/mod_resource/content/1/Amamentacao1.pdf>. Acesso em: 5 dez. 2023.

VIGISAN (2021). Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da COVID-19 no Brasil. Brasília: Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional.

XAVIER, Giovana (2019). Você pode substituir mulheres negras como objeto de estudo por mulheres negras contando sua própria história. Rio de Janeiro, Malê.

Downloads

Publicado

2024-05-21

Como Citar

Cockell, F. F. (2024). Vivência Ubuntu nos caminhos do cuidado: : saberes ancestrais nas redes de apoio à amamentação. Intellèctus, 23(1), 163–191. https://doi.org/10.12957/intellectus.2024.81578