Recolocando a autodeterminação na equação? Uma análise da ação coletiva feminista na Europa do Sul

Ana Cristina Santos, Mara Pieri

Resumo


No contexto da Europa do Sul, os direitos das mulheres têm-se confrontado com resistências históricas decorrentes de um legado cumulativo de ditadura, fascismo e catolicismo. Processos mais amplos de modernização desafiaram gradualmente esse legado, com um impacto significativo na mobilização pelos direitos das mulheres. Este artigo examina a ação coletiva feminista na Itália e em Portugal no século XXI, incluindo lutas pró-escolha ligadas ao aborto em Portugal e as mobilizações contra a violência de género na Itália. Em cada contexto, examinamos temas e repertórios dominantes da ação coletiva, mas também fontes de dissidência interna, como as questões da gestação de substituição e do trabalho sexual. Na última seção, sugerimos que a autodeterminação constitui um conceito-chave através do qual os movimentos feministas contemporâneos podem encontrar formas de superar importantes desafios políticos e teóricos emergentes.

 

Palavras-Chave: ação coletiva feminista; Europa do Sul; autodeterminação.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/rep.2021.56089

 

 

                                              

ISSN: 1414-8609 | e-ISSN: 2238-3786 JournalDOI: http://doi.org/10.12957/rep

Licença Creative Commons