Trabalho subordinado e qualidade de vida: conciliação impossível

Giuseppina De Grazia, Gabriela Cavalcante da Silva, Ingrid Adame Moreira

Resumo


O artigo trata da deterioração da condição humana resultante das novas formas de subjugação do trabalho ao capital, a partir de alguns resultados preliminares de pesquisa desenvolvida junto a algumas categorias de trabalhadores na Região Metropolitana doRio de Janeiro. Busca-se aprofundar a investigação em relação às consequências do alastramento de fenômenos que se reproduzem em escala mundial como desemprego, trabalhos parciais e precarizados, concomitantemente a uma brutal intensificação do trabalho em jornadas que se prolongam noite adentro e fins de semana, invadindo e subjugando os demais tempos sociais. As consequências des-trutivas, tanto no que se refere à vida pessoal, à saúde física e mental,como ao conjunto das relações sociais, ao contrário do que afirmamalgumas teorias recentes, reforçam a vigência da centralidade dotrabalho na vida humana. Simultaneamente, porém, atestam a con-tradição insolúvel entre o trabalho subordinado aos interesses do capital e a emancipação humana.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/rep.2012.5111

 

 

                                              

ISSN: 1414-8609 | e-ISSN: 2238-3786 JournalDOI: http://doi.org/10.12957/rep

Licença Creative Commons