Corpo miserável, espírito empreendedor: empreendedorismo, pobreza e desemprego no Brasil

Julia Salgado

Resumo


Neste artigo analiso a recente figura jurídica criada pelogoverno brasileiro, o Empreendedor Individual, como nova ferramentado processo de transferência de responsabilidade pelo acesso aomercado de trabalho – responsabilidade esta que deixa de ser coletiva, tornando-se individual.

Sugiro que tal processo de transferência confere aos indivíduos a responsabilização não apenas por sua situaçãode desemprego, mas também de pobreza e miséria. Classificando o empreendedorismo como a melhor (ou mesmo a única) alternativaao problema de desemprego e miséria, os discursos aqui analisadostrabalham na construção de subjetividades empreendedoras comosendo positivas, requeridas e heroicas. E ao difundirem que o brasileiro é um ser “naturalmente empreendedor”, naturalizam a noção de quequalquer um é capaz de sair do estado de pobreza por meio da ação empreendedora.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/rep.2012.5108

 

 

                                              

ISSN: 1414-8609 | e-ISSN: 2238-3786 JournalDOI: http://doi.org/10.12957/rep

Licença Creative Commons