Crítica das forças produtivas: guerra, destruição ecológica e criação do mundo pós-natural.

André Villar Gomez, Javier Blank

Resumo


As forças produtivas são uma categoria capitalista e materializam a abstração social baseada no valor. Tal como o processo de valorização, as forças produtivas se desenvolvem sem levar em consideração a satisfação das necessidades humanas e as consequências ecológicas. A produção destrutiva por meio da redução da taxa de utilização dos produtos e os gastos militares crescentes demonstram que o capitalismo passou a destruir riqueza material em larga escala para adequar seus potenciais destrutivos aos estreitos limites de sua forma de riqueza baseada no trabalho abstrato. A aceleração do consumo do mundo, que é uma das manifestações do desenvolvimento tecnológico capitalista, é uma das causas mais importantes da crise ecológica contemporâneia. O mundo pós-natural  consiste na tentativa desmedida e irracional de o capitalismo fugir das "barreiras naturais". A superação da forma social baseada no valor e das forças produtivas tornou-se uma necessidade de primeira ordem.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/rep.2012.3882

 

 

                                              

ISSN: 1414-8609 | e-ISSN: 2238-3786 JournalDOI: http://doi.org/10.12957/rep

Licença Creative Commons