Condições de trabalho dos assistentes sociais: precarização ética e técnica do exercício profissional

Maria Teresa dos Santos, Vania Maria Manfroi

Resumo


O presente artigo trata das condições de trabalho dos assistentes sociais, cuja precarização tem repercutido diretamente nas condições éticas e técnicas de seu exercício profissional. Para tanto, busca-se, na tradição marxista, os elementos para uma análise da problemática, em um esforço de partir do empírico para a discussão de possíveis tendências do real. A referência dos dados empíricos são as pesquisas realizadas sobre o mercado de trabalho dos assistentes sociais em Santa Catarina e no Espírito Santo nos anos de 2011 e 2007, respectivamente. A partir delas se problematiza o processo de precarização do trabalho e suas repercussões nas condições objetivas e subjetivas do trabalho desses profissionais. A condição para o enfrentamento da precarização do trabalho passa pela compreensão dos assistentes sociais como parte da classe trabalhadora, em um movimento oposto à individualização, como propõe o projeto neoliberal.

Palavras-chave: condições de trabalho; serviço social; precarização.

DOI: 10.12957/rep.2015.21057


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/rep.2015.21057

 

 

                                              

ISSN: 1414-8609 | e-ISSN: 2238-3786 JournalDOI: http://doi.org/10.12957/rep

Licença Creative Commons