O trabalho do assistente social no contexto da crise do capital: problematizações necessárias

Lindamar Alves Faermann

Resumo


Este artigo aporta reflexões sobre as condições de trabalho do assistente social nos marcos do capitalismo vigente. Considerando que o Serviço Social só pode ser entendido em sua densidade histórica no âmbito da sociabilidade capitalista, discute-se a profissão no processo de produção e reprodução das relações sociais, particularizando sua inserção na divisão sociotécnica do trabalho, reconhecendo o assistente social como um trabalhador assalariado. O texto centra-se em duas partes articuladas e complementares. A primeira problematiza, a partir de uma pesquisa teórica, a crise atual do capital e seus impactos na vida social, notadamente no mundo do trabalho. A segunda evidencia dados sobre a realidade de trabalho dos assistentes sociais nesse contexto, tendo por base uma pesquisa quanti-qualitativa realizada com 45 profissionais.

Palavras-chave: Serviço Social; trabalho; crise do capital.

DOI: 10.12957/rep.2015.21055


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/rep.2015.21055

 

 

                                              

ISSN: 1414-8609 | e-ISSN: 2238-3786 JournalDOI: http://doi.org/10.12957/rep

Licença Creative Commons