Filhos de mulheres presas: o papel materno na socialização dos indivíduos

Claudia Stella

Resumo


O objetivo deste artigo é refletir sobre o processo de socialização dos filhos de mulheres presas e a partir daí entender a influência do aprisionamento materno e do impacto social produzido por ele neste percurso de desenvolvimento.
Além de pesquisa bibliográfica, este trabalho está ancorado na coleta de histórias de vida de filhos de mulheres presas.
A amostra foi constituída por quatro rapazes e duas moças, com média de idade de 21 anos, que moravam com a própria mãe ou com a família dela quando da prisão materna.
Considera-se que no processo de socialização dos filhos de mulheres presas estão presentes, especialmente: a internalização de uma figura materna elaborada entre a figura mítica de mãe e a delinquência materna; a culpa que os sujeitos sentem pela delinquência materna; e a culpabilização da mãe sobre o abandono sofrido na infância.

Palavras-chave


Revista Estudos e Pesquisas; Psicologia; UERJ; REVIPSI

Texto completo:

PDF HTML


DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2009.9103

Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com