A Relação Educadora-Bebê com Deficiência e o Cuidado Coletivo na Creche

Tatiele Jacques Bossi, Sofia Sebben Colognese, Cesar Augusto Piccinini

Resumo


Este estudo teve como objetivo investigar a relação educadora-bebê com deficiência e o cuidado coletivo na creche. Participaram 10 educadoras de duas Escolas Municipais de Educação Infantil de Porto Alegre que atendiam dois bebês com deficiência física. As educadoras participaram de um Programa de Acompanhamento destinado a educadoras que atendiam bebês com deficiência e responderam a uma entrevista. Os dados foram submetidos à análise temática indutiva. Os resultados revelam a importância das educadoras e da creche como ambiente facilitador do amadurecimento pessoal dos bebês com deficiência, o que ficou evidente nos cuidados dispensados a eles de forma sensível. No entanto, pôde-se perceber que o cuidado em ambiente coletivo é desafiador para as educadoras e o bebê com deficiência demanda maior disponibilidade emocional e física delas, o que pode tornar a prática profissional ainda mais fatigante. Pensar em intervenções que considerem as especificidades da relação educadora-bebê com deficiência torna-se relevante no contexto da Educação Infantil, ainda mais ao se considerar a importância da inclusão desde as etapas iniciais do processo educacional.

Palavras-chave


educação infantil; educação inclusiva; bebês; deficientes; comportamento de cuidado da criança

Texto completo:

HTML PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2022.66495

Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com