Experiência Subjetiva no Exercício da Monoparentalidade

Sibely Joaquina Pereira Lima, Terezinha Féres-Carneiro

Resumo


Este estudo tem como objetivo investigar a experiência subjetiva no exercício da monoparentalidade. Foram entrevistados cinco mulheres e três homens, entre 35 e 58 anos, das camadas socioeconômicas médias da população urbana do Rio de Janeiro. Trata-se de famílias planejadas: uma com filho biológico, outra com filhos biológicos e adotados, e seis constituídas por adoção. Os resultados foram analisados conforme o método de análise de conteúdo, na sua vertente categorial. Da avaliação do material surgiram duas categorias de análise relacionadas às experiências subjetivas narradas pelos participantes: contexto da escolha e preconceito. Os resultados apontaram que a monoparentalidade foi o meio encontrado para realizar o desejo de ter filho(s) e o contexto dessa escolha é permeado por fatores socioculturais como religião, papéis sociais de gênero e, principalmente, conjugalidade, ressaltando a tendência na família contemporânea de separação entre parentalidade e conjugalidade. O preconceito atinge mais os homens que as mulheres, envolve questões de gênero relacionadas à afetividade, ao cuidado e à forma de construir família, e aponta para estereótipos atuantes no pensamento social que se presentificam, inclusive, em âmbito institucional.

Palavras-chave


família; monoparentalidade; subjetivação; escolha; preconceito

Texto completo:

PDF HTML


DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2021.61065

Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com