Plantão Psicológico Gestáltico - A Escrita de uma Experiência

Luciana Loyola Madeira Soares

Resumo


Apresento a escrita de minha experiência de criação do campo de estágio em Plantão Psicológico fundamentado na Abordagem Gestáltica num curso de graduação em Psicologia numa Instituição particular de Ensino Superior no Rio de Janeiro. Sendo escassa a literatura gestáltica neste tema, recorri a autores baseados em Carl Rogers, em cuja abordagem há farta oferta de publicações, o que me permitiu criar boas conexões com autores da Gestalt-terapia. Chamei para compor esse diálogo autores da Psicologia Social e, assim, proponho o único atendimento no Plantão Psicológico Gestáltico como uma prática de clínica ampliada que pró-move deslocamentos nos fazeres acadêmicos na graduação em Psicologia por expandir as práticas clínicos na clínica-escola para além da psicoterapia bipessoal e por propor a sensibilidade como condição de encorpamento ético nos fazeres psicológicos. Finalizo, indicando o Plantão Psicológico Gestáltico como uma prática política e inclusiva, portanto, democrática, contemplando contemporaneamente a demanda por atenção psicológica pontual, em diferentes espaços e contextos - fomentando atenção especialmente à nossa formação universitária.

Palavras-chave


plantão psicológico gestáltico; práticas sensíveis em clínica-escola; graduação em psicologia

Texto completo:

HTML PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2019.49298

Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com