Concepções de famílias: Um estudo sobre as representações gráficas de crianças cariocas

Ilana Landim, Juliane Callegaro Borsa

Resumo


As configurações familiares estão em processo de diversificação, de maneira que o modelo formado por homem e mulher unidos em matrimônio não é o único a ser legitimado pela sociedade. Este estudo objetivou investigar de que forma as crianças cariocas representam graficamente as famílias, tomando como base a teoria da análise do comportamento. Participaram da amostra 108 crianças cariocas (52,8% meninos e 47,2% meninas), com idades entre cinco e 12 anos (M= 8,58; DP= 1,54) e seus respectivos responsáveis (M= 36,9; DP= 7,31). Foi solicitado que as crianças desenhassem individualmente uma família e a descrevessem. Aos responsáveis foi pedido que preenchessem um questionário sociodemográfico. Os conteúdos dos desenhos e os dados do questionário sociodemográfico foram tabulados e analisados por meio do software estatístico IBM SPSS versão 22. A maior parte das crianças representou famílias tradicionais em seus desenhos. No entanto, as concepções de família pareceram mais associadas à dimensão afetiva que aos espaços de convivência e moradia. Esse estudo propôs novas perspectivas empíricas e teóricas para avaliar o desenho da família e sugere a necessidade de melhor compreender como os diversos arranjos familiares são apreendidos pelas crianças.

Palavras-chave


famílias; desenho de família; criança

Texto completo:

HTML PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2019.44284

Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com