A noção de inconsciente nos primeiros textos de Freud: do cognitivo ao reino das sombras

Henrique Fróes, Terezinha de Camargo Viana

Resumo


O artigo investiga o uso da noção de inconsciente nos primeiros textos de Freud, que compreendem os anos de 1888-1893, pertencentes ao período denominado pré-psicanalítico. A partir daí, estabelece os diversos sentidos que a noção de inconsciente assume, relacionando-os com os diversos autores e tradições que serviram de fonte para o pensamento freudiano, ou que o antecederam. Identificam-se três diferentes modelos de concepção do inconsciente que surgem como referência para Freud: o do inconsciente cognitivo, o do inconsciente resultante da divisão da consciência e o do inconsciente romântico, que vão se desdobrando concomitantemente à ênfase dada à abordagem psicológica dos fenômenos patológicos da histeria.

Palavras-chave


Inconsciente; Freud; História; psicologia; século XIX

Texto completo:

HTML PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2016.33457

Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com