Memória pictórica e inteligência: duas evidências de validade

Fabián Javier Marín Rueda, Dario Cecilio-Fernandes, Fermino Fernandes Sisto

Resumo


O objetivo do presente estudo foi procurar evidências de validade concorrente e por grupos extremos para o Teste Pictórico de Memória. Participaram 204 estudantes universitários do Estado de Minas Gerais, sendo 39,2% homens e 60,8% mulheres, com idades variando de 17 a 56 anos. Foram aplicados de forma coletiva o Teste Pictórico de Memória e o Teste de Raciocínio Inferencial. Quanto à validade concorrente, os resultados revelaram correlações positivas e significativas, variando de 0,34 até 0,56, sem o controle da idade, e de 0,31 a 0,54 controlando tal efeito. Em relação aos grupos extremos, os estudantes com alta e baixa pontuação no Teste de Raciocínio Inferencial apresentaram maiores e menores pontuações no Teste Pictórico de Memória respectivamente. Com base nisso, concluiu-se que foram constatadas evidências de validade concorrente e por grupos extremos para o Teste Pictórico de Memória.

Palavras-chave


Inteligência; Memória; Validade; Testes

Texto completo:

PDF HTML


Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com