A domesticação das singularidades. reflexões sobre o paradigma da prevenção – o caso da epidemia de HIV/AIDS

Camila Miranda de Amorim, Ana Maria Szapiro

Resumo


Refletindo sobre as estratégias de combate à epidemia de HIV/Aids, analisa-se o discurso da prevenção num quadro de subjetivação marcado pela constituição de permanente estado de alerta às situações de risco. Temos observado uma medicalização da vida com a importação para o campo da saúde da idéia de administrar riscos. Configura-se o surgimento de um projeto de vida saudável inflectido sobre os sujeitos, tendo como conseqüência uma padronização de estilos de vida. O uso da informação como estratégia preventiva, sabemos, visa à mudança de comportamentos. Deste modo, as práticas sexuais têm sido alvo de prescrições que objetivam transformá-las em práticas seguras a partir do conhecimento sobre a transmissão do HIV. Entretanto, as prescrições preventivas relacionadas às práticas sexuais vêem-se freqüentemente subestimadas frente à força da dimensão desejante do sujeito. Nesta perspectiva, considera-se que o poder de mudança atribuído ao conhecimento transmitido na prevenção requer o que denominamos “domesticação das singularidades”.

Palavras-chave


Risco; Prevenção; Dessingularização

Texto completo:

PDF HTML


Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com