PRETOS E PARTOS, UNI-VOS. OS DESAFIOS DE (O) SER NEGRO NO BRASIL DO SÉCULO XXI.

Gabriel Pinheiro de Siqueira Gomes

Resumo


Este artigo pretende estabelecer um debate sobre o conceito de raça no Brasil que vivemos, através de uma leitura dos clássicos acadêmicos e militantes do Movimento Negro. Deste modo, trata-se de retomar o debate apresentado a duras penas por pensadores comprometidos com a causa negra no Brasil. Os eixos do debate proposto no artigo são o histórico do conceito de raça utilizado no Brasil nas últimas décadas, breve abordagem sobre os censos nacionais; análise das transformações e disputa pelas políticas públicas no âmbito do Estado; por fim, uma observação sobre o conceito de raça/cor adotado pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) no âmbito da Constituição Cidadã de 1988 como resultado e processo de luta organizada da militância acadêmica e política da negritude nos últimos 40 anos.  


Texto completo:

PDF

Referências


BENTO, Maria Aparecida Silva. Branquitude e Poder - a questão das cotas para negros. In: SANTOS, Sales Augusto dos (Org.). Ações afirmativas e combate ao racismo nas Américas. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. P. 165-177.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional De Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior. Brasília. DF: INEP, 2011.

COSTA, Tereza Cristina N. Araújo. “O Princípio Classificatório ‘Cor’, sua Complexidade e Implicações para um Estudo Censitário”, in Revista Brasileira de Geografia, v. 36, n. 3, Rio de Janeiro, jul.-set./1974, pp. 91-103.

FERNADES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes: (o legado da “raça branca”, volume I) – 5. Ed. – São Paulo: Globo 2008.

__________. A Integração do Negro na Sociedade de Classes. São Paulo: Dominus-USP, 1965.

__________. Prefácio à edição brasileira. In: NASCIMENTO, Abdias do. O genocídio do negro brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 49ª Ed. São Paulo: Global, 2004.

GAMA, Zacarias Jaegger; SANTOS, T. L. A. Cotas na Universidade: cooptação ou libertação? Cadernos do GEA . – n.11 (ago./dez. 2020). – Rio de Janeiro : FLACSO, GEA; UERJ, LPP, 2020- v.

GOMES, G. P. S.No peito e na raça: Problemática racial e políticas afirmativas na UERJ. Cadernos do GEA . – n.11 (ago./dez. 2020). – Rio de Janeiro : FLACSO, GEA; UERJ, LPP, 2020- v.

GRAMSCI, Antonio. A Concepção dialética da história. 5. ed., Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1984.

GUERREIRO RAMOS, Alberto. O negro no Brasil e um exame de consciência. In: NASCIMENTO, Abdias et al. Relações de raça no Brasil. Rio de Janeiro, Quilombo, 1950.

_____. O problema do negro na sociologia brasileira. Cadernos do Nosso Tempo, 2, jan./jun, 1954.

IBGE. Censo Demográfico 2010. Disponível em: Acesso em: 20/10/2020.

GONZALEZ, Lélia; HASENBALG, Carlos. Lugar de negro. São Paulo: Marco Zero, 1982

HASENBALG, Carlos. 2005[1979]. Discriminação e Desigualdades Raciais no Brasil. Belo Horizonte e Rio de Janeiro: Editora da UFMG e IUPERJ.

IENSUE, Geziela. Políticas de cotas raciais em universidades brasileiras: entre a legitimidade e a eficácia. Curitiba. Juruá Editora: 2010.

KAMEL, Ali. Não somos racistas: uma reação aos que querem nos transformar numa nação bicolor. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

MEDEIROS, Carlos Alberto. Ação afirmativa no Brasil: um debate em curso. In: SANTOS, Sales Augusto dos. Ações afirmativas e combate ao racismo nas Américas. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. P. 121-141.

MOURA, Clóvis. O negro: de bom escravo a mau cidadão? Editora Conquista, RJ, 1977.

MUNANGA, Kabengele. Negritude: Usos e Sentidos. 2ª ed. São Paulo: Ática, 1988.

__________. O Anti-racismo no Brasil. In: MUNANGA, K. (org.). Estratégias e políticas de combate à discriminação racial. São Paulo: Edusp, 1996.

__________. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

NASCIMENTO, Abdias do. O Genocídio do Negro Brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

______. O quilombismo. Petrópolis: Editora Vozes, 1980.

NOGUEIRA, Oracy. Tanto preto quanto branco: estudo de relações raciais. São Paulo: T. A. Queiroz, 1985.

OSÓRIO, Rafael G. O sistema classificatório de cor ou raça do IBGE. Brasília. Texto para discussão Ipea, 2003. Disponível em: < http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=4212> Acesso em 20/10/2020.

PEREIRA, Amauri M. Trajetória e Perspectivas do Movimento Negro Brasileiro. Belo Horizonte: Editora Nandyala, 2008.

PIZA, E.; ROSEMBERG, F. Cor nos censos brasileiros. In: CARONE, I; BENTO, M. A. S. (Org.). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p. 91-120.

SILVA, Graziella Moraes; LEÃO, Luciana de Souza. (2012), “O Paradoxo da Mistura: Identidades, Desigualdades e Percepção de Discriminação entre Brasileiros Pardos”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 27, no 80, pp. 117-133

SILVA JR., Hédio. Direito de Igualdade Racial: Aspectos Constitucionais, Civis e Penais. São Paulo: Juarez de Oliveira, 2002.

SILVA, Nelson do Valle (1978). Black-white income differentials in Brazil, 1960. Doutorado, Sociologia, Universidade de Michigan, Michigan

SILVA, Nelson do Valle. 1981. Cor e o processo de realização socioeconômica. Dados, v. 24, n.3, pp.391‐409. HASENABLG, Carlos & SILVA, Nelson do Valle. 1999. Educação e diferenças raciais na mobilidade ocupacional no brasil. In: HASENABLG, Carlos; VALLE SILVA, Nelson do & LIMA, Marcia. Cor e Estratificação Social. Rio de Janeiro: Contracapa, pp.218‐231.

SOUZA, Duílio Duka de. Combate ao racismo: compromissos e ações positivas. In: PINSKY, Jaime (Org.). Práticas de cidadania. São Paulo: Contexto, 2004.

TELLES, Edward. Racismo à Brasileira. Uma nova perspectiva sociológica. 1ªed. Rio de Janeiro: Dumará, 2003.

TODOROV, Tzvetan. Nós e os outros. A reflexão francesa sobre a diversidade humana. Rio de Janeiro. Jorge




DOI: https://doi.org/10.12957/rdciv.2021.55825

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Gabriel Pinheiro de Siqueira Gomes

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.