EXPRESSÕES DA CONTRARREVOLUÇÃO BURGUESA NO BRASIL DO SÉCULO XXI E A CONTRIBUIÇÃO DE FLORESTAN FERNANDES À CRÍTICA DO CAPITALISMO DEPENDENTE

Eduardo Reis Pieretti, André Malina, Maria Gabriela Guillén Carias

Resumo


O presente artigo apresenta a recuperação de elementos do conceito de capitalismo dependente em Florestan Fernandes para a interpretação de aspectos recentes da história no Brasil. Concentra-se no modo como a especificidade capitalista brasileira vincula-se a um processo de contrarrevolução burguesa de longo alcance, com fluxos e refluxos, consolidado com o regime autocrático-burguês de 1964 e que ganha expressão no capitalismo contemporâneo. Apresenta-se aqui um panorama pelo modo como o sociólogo paulista formula o conceito de capitalismo dependente e como as categorias a ele vinculadas oferecem explicação para fenômenos observáveis na realidade brasileira contemporânea. Por fim, é oferecida uma possibilidade de interpretar o período do assim chamado governo “democrático-popular” à luz do conceito e das categorias trabalhadas por Florestan Fernandes em sua crítica marxista da especificidade dependente do capitalismo brasileiro.


Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Ricardo. A desertificação neoliberal do Brasil: Collor, FHC e Lula Campinas: Autores Associados, 2004.

BAMBIRRA, Vania. El capitalismo dependiente latinoamericano. Siglo Veintiuno, 1999.

BRASIL. Lei nº 13.260, de 2016. Regulamenta o disposto no inciso XLIII do art. 5.º da Constituição Federal, disciplinando o terrorismo, tratando de disposições investigatórias e processuais e reformulando o conceito de organização terrorista. Brasília, DF: Presidência da República [2019]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13260.htm. Acesso em: 31 out. 2020.

CALIXTRE, André Bojikian; ALMEIDA FILHO, Niemeyer (orgs.). Cátedras para o desenvolvimento: patronos do Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2014.

CARCANHOLO, Marcelo Dias. Neoconservadorismo com roupagem alternativa: a Nova Cepal dentro do Consenso de Washington. In: CASTELO, Rodrigo (org.). Encruzilhadas da América Latina no século XX. Rio de Janeiro: Pão e Rosas, 2010.

CARDOSO, Fernando Henrique. A paixão pelo saber. In: D’INCAO, Maria Ângela (org.). O saber militante: ensaios sobre Florestan Fernandes. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

_______. Pensadores que inventaram o Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

CASTELO, Rodrigo (org.). Encruzilhadas da América Latina no século XX. Rio de Janeiro: Pão e Rosas, 2010.

_______. Presença de Florestan: subdesenvolvimento, capitalismo dependente e revolução no pensamento econômico brasileiro. In: MALTA, Maria Mello de (coord.). Ecos do desenvolvimento: uma história do pensamento econômico brasileiro. Rio de Janeiro: IPEA/Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento, 2011.

_______. Social-liberalismo: auge e crise da supremacia burguesa na era neoliberal. São Paulo: Expressão Popular, 2014.

COHN, Gabriel. O ecletismo bem temperado. In: D’INCAO, Maria Ângela (org.). O saber militante: ensaios sobre Florestan Fernandes. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

DELGADO, Guilherme Costa. Especialização primária como limite ao desenvolvimento. In: Desenvolvimento em Debate. v.1, n.1, p.111-125, 2010.

_______. Do capital financeiro na agricultura à economia do agronegócio: mudanças cíclicas em meio século (1965-2012). Porto Alegre: EdUFRGS, 2013.

FERNANDES, Florestan. Sociedade de Classes e Subdesenvolvimento. Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1972.

_______. Capitalismo dependente e classes sociais na América Latina. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975.

_______. Economia e Sociedade no Brasil: análise sociológica do subdesenvolvimento. In: A Sociologia numa era de Revolução Social. 2.ª Edição reorganizada e ampliada. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976.

_______. Em busca de uma sociologia crítica e militante. In: FERNANDES, Florestan. A sociologia no Brasil. Rio de Janeiro: Vozes, 1977

_______. A herança clássica e seu destino. In: A natureza sociológica da sociologia. São Paulo: Ática, 1980

_______. A pessoa e o político. In. Nova Escrita Ensaio. Ano IV. N. 8. 1981. (Concedida a J. Chasin; Helieth Saffioti, Paulo Douglas Barsotti, Narciso J. Rodrigues Jr., Marilena G.S. Pottes, Ester Vaisman e Paulo Edgar Rezende).

_______. Revolução Burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. São Paulo: Globo, 2005.

_______. Brasil: em compasso de espera. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2011.

_______. Poder e Contrapoder na América Latina. São Paulo: Expressão Popular, 2016.

FERNANDES JUNIOR, Florestan. “Um adeus no Olhar: a vida e a morte de Florestan Fernandes”, [disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2015/10/1699583-o-adeus-em-um-olhar-a-vida-e-a-morte-de-florestan-fernandes.shtml, publicado em 28/10/2015, acessado em 09/08/2017, às 09:14].

GORENDER, Jacob. O escravismo colonial. São Paulo: Ática, 1980.

_______. A escravidão reabilitada. São Paulo: Ática, 1990.

IANNI, Octavio. Florestan Fernandes e a formação da sociologia brasileira. In: Octavio Ianni (org.). Florestan Fernandes: sociologia crítica e militante. São Paulo: Expressão Popular, 2006.

_______. A formação do proletariado rural no Brasil. In: STEDILE, João Pedro. A questão agrária no Brasil: o debate na esquerda – 1960-1980. São Paulo: Expressão popular, 2012.

LIMOEIRO-CARDOSO, Miriam. Para uma história da sociologia no Brasil: a obra sociológica de Florestan Fernandes – algumas questões preliminares. São Paulo: IEA/USP, dezembro de 1994.

_______. Capitalismo dependente, autocracia burguesa e revolução social em Florestan Fernandes. São Paulo: IEA/USP, agosto de 1995.

_______. Florestan Fernandes: a criação de uma problemática. In: Estudos Avançados/USP. 10(26), São Paulo: 1996.

_______. Sobre a teorização do conceito de capitalismo dependente em Florestan Fernandes. In: FÁVERO, Osmar (orgs.). Democracia e Educação em Florestan Fernandes. Niterói/Campinas: EdUFF/Autores Associados, 2005.

MALTA, Maria Mello de (coord.). Ecos do desenvolvimento: uma história do pensamento econômico brasileiro. Rio de Janeiro: IPEA/Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento, 2011.

MARQUES, Morena Gomes Soares. Em busca da revolução brasileira: o democrático-popular como expressão político-programática da formação da classe trabalhadora no Brasil. Dissertação de Mestrado em Serviço Social. Rio de Janeiro: UERJ, 2012.

MARX, Karl. O Capital: critica da economia política. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

_______. Grundrisse: manuscritos econômicos 1857-58: esboços da crítica da economia política. São Paulo: Boitempo, 2011

MELO, Demian, “Sobre o fascismo e o fascismo no Brasil de hoje”, publicado em 25/05/2016 [disponível em: http://blogjunho.com.br/sobre-o-fascismo-e-o-fascismo-no-brasil-de-hoje/, acessado em 10/08/2016, às 20:09].

MÉSZÁROS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo Editorial, 2002.

NETTO, José Paulo. Marxismo impenitente: contribuição à história das ideias marxistas. São Paulo: Cortez, 2005.

OLIVEIRA, Francisco. Crítica da razão dualista/O Ornitorrinco, São Paulo: Boitempo, 2013.

OURIQUES, Nildo. O intelectual militante. In: O colapso do figurino francês. Florianópolis: Insular, 2014.

PAIVA, Carlos Aguedo Nagel; SECCO, Lincoln Ferreira (orgs.). Intérpretes do Brasil: clássicos, rebeldes e renegados. São Paulo: Boitempo, 2014.

PINHO, Thabata Gomes de. A experiência do Partido dos Trabalhadores e os (des)caminhos da institucionalidade: a avaliação da experiência do PT, suas transformações e a herança para as novas gerações. Trabalho de Conclusão de Curso em Estudos Latino Americanos, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora: 2015.

PRADO JUNIOR, Caio. A revolução brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1978.

_______. Formação do Brasil contemporâneo: colônia. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

RICUPERO, Bernardo. Sete lições sobre as interpretações do Brasil. São Paulo: Alameda, 2008.

SAMPAIO JR., Plínio Soares de Arruda. Entre a nação e a barbárie: uma leitura das contribuições de Caio Prado Jr., Florestan Fernandes e Celso Furtado à crítica do capitalismo dependente. Tese de Doutorado (Instituto de Economia/UNICAMP), Campinas: 1997.

_______. Metástase da crise e aprofundamento da reversão neocolonial”, In: Revista Crítica e Sociedade: revista de cultura política – A crise atual do capitalismo, v.1, n.3, dez, 2011.

_______. Desenvolvimentismo e neodesenvolvimentismo: tragédia e farsa. Revista Serviço Social e Sociedade, n.112, p. 672-688, São Paulo: out/dez, 2012.

SANTOS, Theotonio dos. Socialismo o Fascismo: el nuevo caracter de la dependência y el dilema latinoamericano. Cidade do México, Edicol, 1978.

SINGER, André. Ensaio desenvolvimentista no primeiro mandato de Dilma Rousseff (2011-2014). In: Novos estudos CEBRAP, n. 102, julho de 2015. p. 43-71.

_______. A (falta de) base política para o ensaio desenvolvimentista. In: SINGER, André; LOUREIRO, Isabel (orgs.). As contradições do lulismo: a que ponto chegamos. São Paulo: Boitempo, 2016.

SODRÉ, Nelson Werneck. Introdução à revolução brasileira. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1967.

_______. Formação histórica do Brasil. São Paulo, Difel, 1982.

SOLER, Antonio. A crise do lulismo: ascensão e queda de um pacto social. In: Dossiê “Dez anos de governos do PT”, 2015. [Disponível em: http://marxismo21.org/wp-content/uploads/2013/06/A-crise-do-lulismo-A-Soler.pdf].

TRASPADINI, Roberta; STÉDILE, João Pedro (orgs.). Ruy Mauro Marini: vida e obra. São Paulo: Expressão Popular, 2005.




DOI: https://doi.org/10.12957/rdciv.2021.55769

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Eduardo Reis Pieretti, André Malina, Maria Gabriela Guillén Carias

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.