A INTENSIFICAÇÃO DAS PRECARIEDADES E O APEGO A UM PASSADO IMAGINADO. O caso de Moçambique.

Talita Vidal Pereira, Hermínio Ernesto Nhantumbo

Resumo


O Sars-Cov-2 contamina indistintamente os seres humanos de diferentes etnias, gênero e classes sociais, no entanto, é incontestável que ele se constituí em uma ameaça maior aqueles que sobrevivem apesar das condições precárias de vida. Contingentes populacionais que se distribuem por diferentes lugares no mundo, mas uma distribuição que é desigual. Nesse texto analisamos os impactos da crise sanitária e humanitária no continente africano onde essas precariedades são mais expressivas. Nesse artigo discutiremos o caso de Moçambique para argumentar que a vulnerabilidade do sistema educativo em um contexto de globalização em que o Estado Moçambicano vive o desafio de atender às demandas postas pelos organismos internacionais e ao mesmo tempo forjar as bases de um Estado Nacional. Isso em meio a relações de dependência que marcam a história do País. Dependência externa, dominação e bloqueio das diferenças que as utopias do movimento nacionalista pós libertação colonial não foram suficientes para superar. O texto é desenvolvido a partir das apropriações das reflexões pós-coloniais para sustentar que o apego a ideia de formação de uma identidade nacional moçambicana tem contribuído para o aprofundamento de práticas que favorecem processos de exclusão comprometendo a construção da democracia como porvir.


Palavras-chave


Cultura; Diferença; Moçambique; COVID-19

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/periferia.2021.60818

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil  

Revista Periferia, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas – PPGECC/UERJ - ISSN: 1984-9540