ENTRE HEIDEGGER E BAKHTIN: Discussões filosófico-discursivas sobre o Ser e a Linguagem

Wilder Kleber Fernandes de Santana, Helcia Macedo de Carvalho Diniz e Silva

Resumo


Este trabalho se propõe a analisar os discursos filosóficos de Heidegger e Bakhtin, especialmente no que respeita às concepções sobre o ser e a linguagem. Para constatar as relações dialógicas entre os filósofos é preciso resgatar os discursos proferidos pelos eles no âmago de uma construção filosófica sobre o ser, o que se dá na materialidade dos textos, pelo pensamento e pela linguagem. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, por meio da qual incidimos olhares linguístico-científicos sobre a correlação existente entre as obras Ser e Tempo (HEIDEGGER, 1979) e Para uma filosofia do ato responsável (BAKHTIN, 2010). Alguns resultados desta pesquisa apontam para o fato de que Bakhtin, ao reenunciar escritos heideggerianos, reelabora a concepção de ser e de linguagem. Enquanto na base epistemológica de Heidegger, o ser era primado pelo pensamento, na compreensão de Bakhtin, em diálogos com Volóchinov, o ser se constitui no sujeito e na alteridade, pela linguagem e na interação viva entre os sujeitos falantes e suas consciências, nas relações dialógicas de enunciados de naturezas histórica, sócio-interacional, ideológica e linguística.   


Palavras-chave


Bakhtin; Heidegger; Ser; Linguagem; Sujeito.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/periferia.2020.45519

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil  

Revista Periferia, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas – PPGECC/UERJ - ISSN: 1984-9540