Enteógenos e Inteligência Existencial: Plantas Mestres como Instrumentos Cognitivos

Kenneth Tupper

Resumo


DOI: 10.12957/periferia.2011.3946

 

A partir de recentes mudanças nas legislações em relação às drogas
em diferentes países, investiguei o potencial dos enteógenos (i.e.,
plantas psicoativas usadas como sacramentos espirituais) como
instrumentos para favorecer a inteligência existencial. Plantas
Mestres das Américas como a ayahuasca, os cogumelos de
psilocibina, o peiote e o soma indo-ariano da Eurásia, são alguns dos
exemplos de enteógenos que foram e continuam a ser utilizados, no
passado e no presente. Todas estas plantas foram reverenciadas por
pessoas e culturas diferentes como instrumentos cognitivos que
promovem um mais rico entendimento cosmológico do mundo. Utilizo
a teoria das múltiplas inteligências revisada por Gardner (1999) e sua
formulação de uma inteligência “existencial” como uma lente teórica
através da qual se deve considerar as possibilidades cognitivas dos
enteógenos e explorar potenciais caminhos na Educação.


Palavras-chave


múltiplas inteligências; inteligência existencial; enteógeno, ayahuasca; alucinógenos.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/periferia.2011.3946

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil  

Revista Periferia, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas – PPGECC/UERJ - ISSN: 1984-9540