Educação, memes e a categoria trabalho

Eddie Francisco Manoel Ferreira Orsini

Resumo


Neste momento de crise da Educação, em que a realidade da Educação nos Colégios Estaduais da rede regular é extremamente dura, pretende-se investigar o uso de memes e outros elementos gráficos como recurso didático neste ambiente de dificuldades e desafios. Tenta-se construir um modus operandi para o uso da imagem (tão presente na sociedade), mas sem que se perca a riqueza do conteúdo da disciplina. Usa-se a teoria e método de István Mészáros, mas com a presença de outros momentos do marxismo. Neste estudo, o ser humano é compreendido enquanto um complexo de complexos, a saber, trabalho, pensamento e linguagem; mas este axioma lukacsiano é reposicionado pela crítica de Mészáros ao capital e sua sociabilidade caracterizada pela “autoalienação”. Desta perspectiva, fica claro que a Educação não deixa de ser a maneira que o indivíduo tem de direcionar sua capacidade de trabalho sobre si mesmo e, claro, também às instituições que fazem parte deste processo. Desta maneira, alcançamos uma aproximação maior entre o universo do educando e o do educador, demonstrando a capacidade dos recursos gráficos como catalisadores do Ensino. No ambiente da pós-modernidade e da revolução informacional com sua fluidez desconcertante, a imagem revelou-se um excelente recurso; mas vimos que ela demanda também que o educador saiba fazer uso dela.


Palavras-chave


Sociologia; Ensino Médio; Crise da Educação; Marxismo; Alienação; Meme

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/periferia.2019.35086

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil  

Revista Periferia, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas – PPGECC/UERJ - ISSN: 1984-9540