Serras da Desordem e 500 Almas: resíduos de rostos, de gestos

Andréa França

Resumo


DOI: 10.12957/periferia.2009.3420

A partir do documentário Serras da Desordem, de Andrea Tonacci, discute-se o espectro da objetividade e da verdade da representação nas imagen  documentais e o lugar do espectador na construção destas
imagens; discute-se a auto-representação indígena no Projeto Vídeo nas Aldeias e a produção de uma subjetividade indígena no documentário 500 Almas, de Joel Pizzini.

Palavras-chave


documentário; vídeo; subjetividade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/periferia.2009.3420

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil  

Revista Periferia, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas – PPGECC/UERJ - ISSN: 1984-9540