PÓS-COLONIALISMO, EDUCAÇÃO E CONSCIÊNCIA CRÍTICA LATINO-AMERICANA EM “ARIEL”, DE RODÓ

Raimundo Nonato de Pádua Câncio, Andreson Carlos Elias Barbosa

Resumo


DOI: 10.12957/periferia.2016.27343

O objetivo deste artigo é analisar o pensamento sobre educação do escritor uruguaio José Enrique Rodó, que fez parte do movimento literário conhecido como “Geração Hispano-Americana de 98”, a partir de sua obra Ariel, publicada em 1900. Neste ensaio, é possível observar como este intelectual idealizou a constituição de uma identidade latino-americana em pleno modernismo hispano-americano. Trata-se de um estudo de caráter bibliográfico que posiciona o literato dentre os intelectuais mais importantes de seu país, a partir das reflexões levantadas de combate à influência estadunidense, apresentada ostensivamente no ano de 1898. Em Ariel, Rodó demonstra a importância da educação na definição da cultura e da política de um povo, e delineia uma cultura latino-americana valorosa, altruísta, oposta ao utilitarismo frio, egoísta e estadunidense.

 


Palavras-chave


Rodó; educação; pós-colonialismo

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/periferia.2016.27343

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil  

Revista Periferia, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas – PPGECC/UERJ - ISSN: 1984-9540